sábado, 17 de fevereiro de 2007

As farmácias de Cuba

As estantes na farmácia do bairro, como nas outras farmácias de bairro que eu tinha visto em Havana, estavam quase vazias e cheias de pó, com uma pequena quantidade de remédios antiquados na vitrine, porém os vidros estavam todos vazios. 

Farmacia em Cuba - Havana

Os clientes eram tão escassos quanto os remédios. Uma garrafa em uma estante continha um fungicida, outra ungüento de babosa. Um terceiro para curar diarréia. A possibilidade de achar um remédio específico para uma doença particular eram tendentes a zero. “Para que serve esse líquido engarrafado?” - perguntei para a mulher atrás do balcão. “Memória”, ela disse. “É bom para memória e para circulação.” “Você tem Aspirina?”, eu perguntei, desejando saber se os cubanos comuns podem obter o grupo farmacêutico mais familiar do mundo. A resposta era: NENHUMA.

A farmácia dela só dispunha de drogas fabricadas em Cuba e disponível para compra em pesos. “Se você quiser aspirina, você tem de ir lá”, ela disse, apontando para um hotel perto que tem uma farmácia, que, porém, só aceita dólares. A “farmácia dolarizada” realmente tinha aspirina. Junto com outros analgégicos, remédios contra a tosse, seringas descartáveis, Band-aid, e todos os outros produtos medicinais comuns familiar a ocidentais. 

Suas estantes estavam abarrotadas até o teto de remédios de todos os tipos - uns 500 artigos, inclusive tampões, fraldas disponíveis, e outros artigos de drogarias que eram mais conveniências que necessidades. Entretanto, PESOS - a moeda nacional que o cubano comum tem acesso – não compra nada neste estabelecimento dolarizado, que, por sinal, é estatal.

Farmacia dolarizada em Cuba - Havana


A farmácia dolarizada só deu boas-vindas aos dólares, e esta moeda leva qualquer coisa na loja cubana. Logo de manhã, tinha sido parado na rua por um cubano, que dizia que seu filho era asmático, e portanto estava me pedindo ajuda para comprar um remédio na farmácia dolarizada. Ele não poderia adquirir a droga, ele explicou, mas eu, como um turista, poderia. 

Ele como cubano estava proibido de entrar no Hotel, mas eu, estrangeiro, poderia entrar em comprar o remédio para seu filho. Deparar-se com cubanos implorando por remédios é cena comum em Havana, tão comum como as cenas de cubanos implorando por dinheiro para alimentar suas crianças. E o argumento mais comum é que o governo não usará suas escassas reservas em moeda forte para importar drogas básicas que a população necessita.

Os médicos nem mesmo prescreverão a droga para os cubanos comuns porque elas não estarão disponíveis nas farmácias locais. Entretanto, os médicos cubanos escrevem em pedaços de papel avulsos o nome da droga que seus pacientes precisam. “Isto é o que você precisa”, falam os médicos para os pacientes desesperados. Ato contínuo, os cubanos saem nas ruas a procura de turistas para resolver os seus problemas. 

Farmacia em Cuba

A vida – ou a morte – de suas crianças depende do sucesso que os desesperados cubanos terão em suas investidas com os turistas estrangeiros. Os cubanos com acesso a dólares - tipicamente os que trabalham na indústria turística e que recebem gorjetas em dólares – podem obter as drogas que precisam. Outros têm parentes nos Estados Unidos. 

O resto - os cubanos de classe média incluídos - tem que recorrer a implorar, ao mercado paralelo ou, crescentemente, para a prostituição. Cuba é renomada para ter um sistema de saúde universal e, na realidade, os médicos são abundantes e as visitas dos médicos são gratuitas. Mas sem acesso a antibióticos, insulina, drogas para o coração entre outras, os médicos cubanos não podem executar seus deveres. 

Muito freqüentemente, por falta de remédios e equipamentos cirúrgicos, os médicos cubanos são obrigados a AMPUTAR membros que seriam salvos facilmente com o tratamento adequado, ou mesmo colocam os pacientes em dolorosos tratamentos e terapias sem sem analgésicos.

Em um caso famoso, a Dra. Hilda Molina, fundadora do Centro Internacional de Havana para Restauração Neurológica, devolveu as medalhas que Fidel Castro lhe tinha lhe premiado pelo trabalho dela, em resignado protesto. E disse que o sistema de saúde cubano nega aos cubanos, mas tem um cuidado todo especial para com os estrangeiros e seus dólares.Byron é um médico de 30 anos em Cuba. 

Foi um estudante de medicina na África e veio para Cuba em um programa de bolsa de estudos rural. Como ele fala fluentemente o inglês e o francês, e entende três outros idiomas europeus, o governo o direciona para tratar dos turistas, aos quais, ele confirma, NÃO FALTA NADA EM CUBA. 

Os hospitais turísticos são excelentes, a qualidade de cuidado com os estrangeiros é de uma padrão elevadíssimo, tão elevado quanto o que você pode obter em qualquer país Ocidental, ele diz. As farmácias dos hospitais para turistas dispõem de qualquer droga que os turistas requerem. Ele diz que o tratamento é similar para os altos funcionários do governo e das Forças Armadas. “Para eles também não falta”, diz Byron.

Mas depois de tratar bem as necessidades dos turistas e dos altos funcionários do governo, não sobre nada para o sistema de saúde que é fornecido para os cubanos comuns. Eu perguntei para Byron sobre um homem que eu tinha visto sentando em frente ao hospital do governo, embrulhando suas lesões cruas no pé com trapos imundos. 

O cuidado com que ele estava tendo com os buracos que se abriam em seu pé deixou-me comovido, e me fez desejar saber que tipo de doença ele tinha. Byron identificou malária no homem - uma doença que os escravos tinham trazido da África para Cuba 400 anos atrás – que poderia ser facilmente tratável caso existissem disponíveis para a população as drogas necessárias que, porém, estão abundantes para os turistas.

“O governo não dá nada ao pobre”, ele declarou fechando o assunto. “O pobre cubano não tem nenhum tipo de tratamento médico, nenhum analgésico, nenhum nada!” Antes de Castro tomar o poder na revolução de 1959, Cuba dispôs de um dos melhores sistemas médicos do mundo! Sua relação de 1 (um) médico para cada 960 habitantes era classificada em 10º pela Organização Mundial de Saúde (Inglaterra, em contraste, tinha um médico para cada 1,200 pessoas, México um médico para cada 2,400 pessoas).

Cuba tinha a mais baixa taxa de mortalidade infantil de América Latina, comparável ao Canadá e melhor que a França, Japão e Itália. Sua população foi bem alimentada bem, com um consumo alimentar per capita que era o terceiro mais alto na América Latina. Hoje, Cuba está na lanterna das estatísticas latino-americanas em consumo alimentar per capita de cereais e especialmente carne e o consumo de leite estão abaixo dramaticamente dos níveis mínimos recomendados pela OMS, mas não perdeu suas capacidades médicas. 

Ao invés, Cuba reorientou seu sistema médico para a tarefa de ganhar dólares e moeda forte. Ao fazer isso, Cuba abriu o caminho para o “turismo de saúde” por agências como Servimed que comercializa serviços médicos no estrangeiro. Cuba é “o destino ideal para sua saúde”, ostenta a SERVMED (http://servimed.sites.uol.com.br/), enquanto admite francamente a ser “um subsistema turístico.”

Com uma taxa de crescimento anual de 20% em turismo de saúde, o Servimed fez bem em sua tarefa de casar saúde e turismo. Muitos italianos planejam suas férias anuais em Cuba junto com seus tratamentos dentários, enquanto outros vêm para substituições de joelho de corte-taxa ou cirurgia de olho. Mas talvez o serviço médico mais popular de Cuba, e o que a promove no exterior pesadamente, é a CIRURGIA ESTÉTICA. 

Os médicos cubanos ficaram especialistas a implantes de peitos, dobras de barriga, lipoaspiração e trabalhos de nariz, o que está conferindo a esses doutores reputações internacionais e o regime os deixa servir à Revolução como os melhores ganhadores de divisas dos país.

É um “ganho” para os médicos de elite e um “ganho” para os pacientes privilegiados que se beneficiam do que se tornou o mais extremado duplo sistema médico do mundo – um para os cubanos comuns, e outro para os turistas estrangeiros e altos funcionários do governo. Também é um “ganho” para a elite cubana, quem Byron descreve como participando em uma cultura de aptidão. “Quando eu for tratar os turistas de 75 anos de idade, eu estou tratando as pessoas com muitos anos saudáveis de vida ainda”, disse ele. Este também é o caso dos sócios da elite cubana. “Castro é uma fortaleza, assim como os outros que estão no topo do governo, que aos 75 anos, são fortes e saudáveis.” 

Entretanto, um “cubano ordinário de 63 ou 64 anos já é fraco, um homem velho, um trapo que não interessa mais ao regime.” Para o pobre, batido abaixo pelo sistema que lhe negou cuidado clínico básico, o sistema médico cubano é tudo “perda!”

7 comentários:

  1. Gostaria de aumentar os meus glúteos, eventualmente através do impalnte de próteses. Vivo em Portugal e gostaria de receber os vossos comentários.

    Cumprimentos,
    Pedro Serrano

    ////////////////////////////////

    Oi Pedro, o que isso tem a ver com o post?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manda Pedro ir procurar terreno pra limpar ou uma caixa de roupa pra lavar. Estudos indicam que esse tipo de trabalho faz aumentar a bunda e em Portugal tem muito!

      Excluir
  2. Prezados Senhores,
    Eu tenho ataxia cerebelar e ouvi da minha tia que mora em Geneve ( Suiça), sobre um remédio chamado Ribiz.
    Gostaria de saber se é para essa doença ou têm outros.
    Obrigada
    Vitória

    ResponderExcluir
  3. ola sou a benvinda Monteiro, preciso muito da vossa ajuda quero saber se tem como eu fazer alguma cerugia para emagrecimento rapido sem que eu gaste muito.

    ResponderExcluir
  4. ola eu moro no brasil e gostaria de saber se voçês tem par mi vender um remedio para psoriase chamado (coriodermina) que e vendido ai cuba ok.

    ResponderExcluir
  5. ola meu nome e luciano gostaria de saber se e facil vcs consequr pra mi o
    remedio (coriodermina) para psoriase que e vendido ai...

    ResponderExcluir
  6. Eu fiz o tratamento com coriordemina , acabaram todas as psoriases em 1 ano, foi em 2003-2005 , . Infelismente minha mãe ficou doente vindo a falecer em 2010 , voltaram aos poucos as psoriases. Meu cunhado ( do PT ) foi a CUBA pedi pra ele se informar sobre o tratamento. Voltou disse que não tinha mais. Tô pior estou procurando pela internet tratamento em CUBA. Estou abismada , as informações aqui no Brasil são ridículas e nada falam sobre CUBA. É como se não existisse. Não sei o que acontece , mas tenho certeza que tem o dedo podre do governo brasileiro, , NÃO ACREDITEM NELES....ELES TRAIRAM TODO O POVO IMAGINEM O QUE VÃO FAZER COM VOÇES. Muita gente como eu e minha familha queremos ir morar em CUBA, continuar aqui no Brasil é morrer aos poucos entregando ao governo o poco que nos resta. Quem pode já saiu deste país tem tempo.

    ResponderExcluir

Observação: comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões) ou conteúdo ofensivo, racista, homofóbico ou de teor neonazista ou fascista (e outras aberrações do tipo) serão apagados sem prévio aviso.