sábado, 30 de junho de 2012

Bolha Imobiliária? Saques do FGTS batem recordes em 2012

O setor imobiliário continua a apresentar crescimento em 2012, quando comparado a 2011. Um indicador desse mercado são os saques nas contas de FGTS para moradia, os quais são usados para aquisição de imóvel próprio.

Saques FGTS 2012
Dados fornecidos pela Caixa Econômica Federal relativos ao primeiro quadrimestre

Como pode ser visto no quadro acima, os saques nos primeiros quatro meses de 2012 superam os de 2011 e 2010 tanto em quantidade de saques como em valores, evidenciando que está se vendendo mais e a preços mais caros em 2012. Em valores, os saques em 2012 estão 16.38% superiores aos de 2011, e 24,9% superiores aos observados em 2010.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Economistas da Tendências e Rosenberg descartam Bolha Imobiliária no Brasil

Como sabemos, o BIS, aquele organismo internacional que gosta de ser chamado de Banco Central dos Bancos Centrais, mas que na realidade não serve para nada, a não ser arrumar emprego para apaniguados dos governos de plantão na Suíça, saiu-se com um documento que eles chamam de estudo, afirmando estar preocupado com a formação de bolhas de ativos imobiliários no Brasil.

Bolha Imobiliária no Brasil

Em uma situação normal esse tipo de informação nem seria considerado, mas como estamos vivendo um momento em que se discute muito uma eventual bolha imobiliária no Brasil, a imprensa resolve dar publicidade a essas opiniões travestidas de estudos.

Gastos excessivos do governo criam "falhas geológicas" na economia brasileira

A combinação de gastos públicos excessivos, incentivo ao endividamento irresponsável, crescimento do tamanho do estado com a contratação de milhares de funcionários públicos e afagos a setores escolhidos para receber aportes bilionários do BNDES é, em termos fundamentais, a essência da política econômica do governo Lula/Dilma.

Política Fiscal Expansionista

A expansão da economia chinesa, com a disparada dos preços das matérias primas exportadas pelo Brasil turbinou a economia brasileira e fez parecer, para grande parte da população, que esse modelo de crescimento era virtuoso.

BIS acha que imóveis no Brasil estão caros, mas SINDUSCON contesta

O Estadão informa que o BIS - Banco Central dos Bancos Centrais - está preocupado com a expansão do crédito imobiliário no Brasil, o que, em sua avaliação ameaça repetir o cenário observado nos EUA, Irlanda ou Espanha, que tiveram estouro de bolhas imobiliárias.

Bolha Imobiliária

Com base em indicadores de valorização de Rio de Janeiro e São Paulo, ambas as cidades com mais de 100% de aumento de 2008 para cá, o BIS, que inclusive elaborou um estudo sobre fundamentos de preços de imóveis, aponta que os preços bateram recordes históricos. (Descobriu a pólvora?)

sábado, 23 de junho de 2012

Mercado imobiliário vive momento de euforia, e tudo que se faz tem mercado

Uma reportagem publicada no Estadão aponta que há uma redução na intenção de compra de imóveis no Brasil desde 2010. Esses dados vêm de uma pesquisa da empresa Datashoro, cujo principal executivo é Marcus Araújo.

Mercado imobiliário - Brasília

A pesquisa entrevistou 70 mil pessoas em diversas capitais do Brasil, com renda suficiente para adquirir imóveis e trouxe um dado sobre a quantidade de investidores no mercado de imóveis na planta: hoje, 39% das compras de imóveis de médio e alto padrão em São Paulo são efetuadas por investidores, sendo que tal número em 2010 era de 46%.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Setor Noroeste Brasília - situação das obras - junho de 2012

As fotos abaixo mostram como estão as obras do Setor Noroeste em Brasília. Destaco que a via W7 já foi completamente pavimentada, margeando toda a área onde será o Parque Burle Marx.

Setor Noroeste - Brasília - via W7 - visão norte
Setor Noroeste - Brasília - via W7 - visão norte
A foto abaixo mostra as obras de pavimentação da via que margeia o Parque Burle Marx ao norte.

Imóveis na planta: benefícios sociais e econômicos

A aceleração recente dos preços dos imóveis no Brasil transformou o assunto "Bolha Imobiliária" em um tema quase religioso: ou você acredita na "Bolha" e faz parte da "turma do bem", ou só pode ser do lado maligno, representado por proprietários, corretores, empresários de construção civil, representantes do CRECI ou SECOVI. Há uma categoria adicional de suprema malignidade: investidores imobiliários especialmente de imóveis na planta.


Os imóveis na planta, e seus respectivos compradores, por algum motivo que foge a racionalidade, foram eleitos, por pessoas que defendem a existência de uma bolha imobiliária no Brasil, como os principais responsáveis pelos preços elevados dos imóveis no Brasil.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Alugar, financiar ou comprar um imóvel na planta?

Um leitor me enviou um comentário solicitando opinião sobre a aquisição de um imóvel. Ele escreve que "partindo do pressuposto de que as colocações do blog estejam corretas no sentido de que os imóveis valorizarão ainda mais daqui para frente, gostaria de saber sua opinião para aqueles que desejam comprar para moradia (não investimento)".

Bairro nobre de São Paulo

No caso específico do leitor, ele tem uma boa renda mas encontra "dificuldades quase irremovíveis em relação ao preço de compra". Segundo o leitor, atualmente ele mora de aluguel num apartamento em um bairro nobre de São Paulo, que tem preço sugerido pelo Zap e exigido pelo proprietário em torno de R$800.000 reais.

O Brasil é vítima da incompetência do governo petralha

Desde que o Brasil entrou em colapso, ouvimos falar dos erros dos brasileiros. As acusações correspondem em parte à realidade, algumas são falsas – mas não vêm ao caso. De fato, são enormes as falhas na economia, na política e na sociedade do Brasil. Mas essas falhas não são o resultado da crise que dilacera o país, e ameaça se espalhar pela América Latina.

Crise econômica Brasil


As origens desse desastre estão bem no centro do país, em Brasília, onde as autoridades petralhas criaram uma política econômica profundamente – e talvez fatalmente – falha, e depois agravaram os problemas desse sistema substituindo a análise pelo moralismo. E a solução da crise, se é que será possível, terá de ser encontrada por essas autoridades.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Especulação com imóveis na planta não é causa de Bolha Imobiliária

Um texto publicado no site Bolha Imobiliária, com o título de "Carta do Ricardo Eng aos leitores", tenta provar que a alta de preços dos imóveis no Brasil decorre da especulação com imóveis na planta. Antes de mais nada, é importante observar que esse texto foi feito agradar a platéia desse site, que se notabilizou por "profetizar" datas exatas de estouro da suposta bolha imobiliária do Brasil. A última profecia, por exemplo, dava conta que a bolha iria estourar em 12/06/2012.

Carta do Ricardo Eng aos leitores do Blog bolha imobiliária

O texto procura vender a ideia de que a culpa da subida dos imóveis é apenas da especulação com imóveis na planta, ao afirmar que "no Brasil a alavancagem foi obtida através de uma aberração financeira chamada “comprar financiado na planta”.

terça-feira, 19 de junho de 2012

STJ permite juros antes das chaves em imóveis na planta , e mostra como recursos públicos são desperdiçados

Depois de anos de infindáveis discussões, TAC, ACF, e etc, o STJ liberou as construtoras de cobrarem juros em contratos de apartamentos na planta, antes da entrega das chaves. Essa decisão é frontalmente contrária ao que estabelecia, até aqui, o entendimento do Ministério Público.

Ministério Público Federal

Isso evidencia o quão despreparados, em termos de economia, são esses procuradores e promotores. Eles acreditam que vão mudar leis da economia com esses “TAC”. Eles acham que proibir construtoras de explicitar juros no contrato fará com que os juros não existam mais. Alguém precisa explicar para esses "dotô" que quando eles colocam um TAC falando que não se pode colocar juros no contrato, os juros continuarão lá, embutidos no preço, só não estarão escritos. Ainda bem que no STJ tem um pingo de bom senso e acabou com a palhaçada.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Taxa de corretagem de imóveis na planta: é direito do consumidor saber quanto está pagando

A taxa de corretagem é um elemento importante na formação do custo de aquisição de um imóvel na planta, pois, em geral, responde 5% do valor total do contrato. A transparência na cobrança dessa taxa é fundamental pois permite uma redução do preço do imóvel e ainda incorre em menores impostos. Infelizmente, a adoção de transparência não é regra.


Os empreendimentos imobiliários que são comercializados com empresas separadas de construção, incorporação e vendas, em geral, adotam a prática de separação da taxa de corretagem do valor do imóvel. Com isso, esses consumidores saem beneficiados, pois o valor de contrato do imóvel fica menor, já que a taxa de corretagem não fica incorporada em seu custo de aquisição.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Especulação imobiliária resulta da valorização imobiliária

O vertiginoso crescimento dos preços dos imóveis no Brasil nos últimos anos levou muita gente a acreditar que estaríamos vivendo uma Bolha Imobiliária e que essa suposta "Bolha" teria sido causada pela especulação imobiliária, especialmente a especulação com imóveis na planta. As duas hipóteses estão erradas: nem estamos vivendo Bolha Imobiliária, e tampouco os preços são resultado de especulação com imóveis na planta.

Especulação Imobiliária - Rio de Janeiro

Os preços atuais dos imóveis no Brasil são sustentáveis e se fundamentam em alguns fatos: o PIB do Brasil cresceu 40% entre 2004 e 2011; os juros de financiamento imobiliário cairam mais da metade desde então; o crédito imobiliário foi multiplicado por 5 no período; a Bolsa de Valores brasileira observou uma intensa valorização nesse período.

Crescimento além do discurso - Estadão 14/06/2012

Duas das principais molas que impulsionaram a economia brasileira nos últimos anos têm perdido sua elasticidade: a demanda internacional por matérias-primas agrominerais e o crédito ao consumo. A primeira sofre os efeitos da contração do crescimento mundial, que se prolongará por alguns anos. Não necessariamente haverá um colapso dos preços das commodities brasileiras, mas as receitas de exportações e os investimentos nessa área perderão velocidade. Quanto ao crédito ao consumo, basta mencionar que 90% das famílias brasileiras revelaram não ter disposição para endividamento adicional. Elas gastam, atualmente, 30% de sua renda em juros e amortizações da dívida já assumida, proporção superior à das famílias norte-americanas. Assim, as tentativas de estímulo ao consumo via crédito não terão impacto forte nem duradouro.

Crescimento Econômico

Nesse contexto, não é de estranhar que a economia esteja se retraindo. De novo, nenhum colapso, mas um declínio da taxa de crescimento a cerca da metade do nível obtido no governo passado. De fato, é o modelo - chamemos assim - lulista de crescimento que perdeu o vigor.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Bolha imobiliária onde? Preços de imóveis usados em SP sobem 14,5% no trimestre

Os imóveis usados ficaram mais caros no primeiro trimestre de 2012, após alta nas vendas no período. De acordo com pesquisa divulgada pelo Creci-SP (Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo), o preço dos imóveis usados subiu 14,5% no primeiros meses do ano, enquanto o índice de vendas subiu 14,9%, de 0,4192 para 0,5644 no mesmo período.

Bolha Imobiliária - São Paulo

"O comportamento dos dois mercados surpreende pela dimensão do crescimento registrado nesses três meses em que a economia entrou em marcha-a-ré, o que já puxou o PIB para um resultado pífio”, explicou o presidente do Creci-SP, José Augusto Viana Neto.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Bolha que nada: vendas de imóveis novos sobem 12,5% em SP

As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo somaram 7.407 unidades nos primeiros quatro meses do ano, um crescimento de 12,5% em relação ao mesmo período de 2011, quando foram vendidas 6.584 unidades.

Venda de imóveis em SP

Por outro lado, o mercado imobiliário teve uma queda no volume de lançamentos de novas moradias (o que é esperado). No mesmo período, os lançamentos somaram 5.257 unidades, um recuo de 27,6% ante as 7.262 registradas um ano antes.

Nova York - fotos

Algumas fotos de Nova York.

Central Park

Washington DC - fotos

Fotos de Washington DC.

Washington DC

domingo, 3 de junho de 2012

Preços de imóveis em Brasília continuam a subir em 2012

As avaliações recentes de players do mercado imobiliário era a de que a situação atual seria a de "estabilidade de preços", que os preços de imóveis teriam atingido o seu pico, que não há renda suficiente, entre outros argumentos. O problema é o indicador de preços imobiliários FIPE-ZAP vem apontado valorização em 2012.

Apartamento - Brasília (DF) - preços continuam a subir

Isso mostra que as avaliações de analistas que saem na imprensa não estão apresentando correspondência com os fatos, que mostram uma insistente subida de preços de imóveis no mercado do Distrito Federal. Eu acompanho os valores do DF em alguns bairros específicos: Asa Norte, Asa Sul, Noroeste e Park Sul.

Retrofit entra na moda no mercado imobiliário brasileiro

Quem compreende o mercado imobiliário sabe que o único defeito irremediável de um imóvel é estar mal localizado. Isso tem levado a uma expansão do mercado de retrofit no Brasil, que consiste em comprar um imóvel antigo e bem localizado, reformá-lo - ou, "retrofit" - para deixá-lo com as mesmas características de um edifício novo. Essa prática vem se consolidando sobretudo em São Paulo no momento em que os terrenos em áreas bem localizadas escasseiam.

São Paulo - Avenida Paulista

Além disso, a execução de um "retrofit" pode ser configurar interessante do ponto de vista financeiro e operacional.