domingo, 26 de agosto de 2012

"Bolha Imobiliária" é desculpa para a incompetência em comprar um imóvel

A Bolha Imobiliária brasileira tecnicamente não existe, já que os preços atuais do mercado são sustentáveis e condizentes com atual situação de renda e crédito vigente no País. Portanto, ela não irá explodir, e os preços dos imóveis não só não irão cair, como tendem a subir ainda mais, tão logo a economia volte a crescer em taxas mais elevadas, conforme mostra o modelo econométrico do BIS para o mercado imobiliário. Mas, apesar disso, o termo bolha imobiliária se tornará cada vez mais pop.


Isso acontece pois o termo "Bolha Imobiliária" serve para designar, na cultura popular, o fenômeno de elevação de preços de imóveis nos últimos anos. Como já dissemos, esse fenômeno não é, no sentido econômico do termo - valorização de ativos gerada artificialmente -, uma bolha imobiliária, e os preços dos imóveis não vão cair - na realidade tendem a subir.

Mas, apesar de não existir, o termo "bolha imobiliária" tende a ser cada vez mais popular, a medida que mais pessoas que perderam o bonde da valorização imobiliária percebam o erro que cometeram e passem a torcer pela solução milagrosa: o estouro da suposta bolha que traria os preços para os níveis observados antes da expansão do crédito.



Esse pessoal que torce pela bolha - em geral inquilinos que não conseguem comprar seu apartamento - continuará se lamuriando em sites sobre mercado imobiliário e de notícias em geral sobre os preços dos imóveis. Fazer isso é mais mais fácil (apesar de não resolver o problema) do que trabalhar mais para conseguir o que desejam.

Além disso, sites dedicados à Bolha Imobiliária reúnem muitos perdedores e fracassados, fazendo com que o perdedor não se sinta sozinho. Como existem outros perdedores e fracassados como ele, há um processo de acolhimento e de sentimento de consolo - que, em alguns casos, chega a se assemelhar a um processo religioso ou de auto-ajuda. Outro aspecto é que sites que se dedicam a discutir a inexistente bolha imobiliária brasileira servem também de canal de expressão das frustrações e da insatisfação dos inquilinos para com os proprietários dos imóveis que eles alugam.



Esse conjunto de perdedores, porém, se trabalhassem mais e perdessem menos tempo discutindo algo que não existe - Bolha Imobiliária brasileira - talvez encontrassem uma solução para sair do aluguel. Mas a maioria não vai fazer isso: vai continuar a torcer e a se auto-enganar, alimentando a fé na solução mágica (estouro de bolha) que traria o desejadíssimo imóvel para o preço sonhado.

Enquanto aguardam fervorosamente o estouro, eles também perdem tempo se enganando mutuamente sobre as "vantagens de se morar de aluguel". Não faltam "consultores" que fazem contas mostrando como pagam "apenas 0.3% do valor do imóvel", e, assim, tentam justificar sua incompetência em adquirir um imóvel próprio como fruto de uma decisão "racional".

Quem analisar os fatos econômicos - PIB e renda em expansão -, porém, verificará que hoje existe uma demanda por imóveis crescente, que sobe a um ritmo menor do que o passado recente, mas ainda assim cresce. Além disso, é importante considerar que estamos passando por um período de acomodação do mercado, em que ainda existem unidades osciosas por aí frutos dos investimentos feitos nos anos recentes, resultado em uma sobre-oferta transitória que tende a reduzir o preço. Mas tão logo sejam ocupadas, os preços dos imóveis voltarão a subir.

O fato é que todos os que torcem pelo estouro da bolha imobiliária fantasma brasileira não querem admitir que são incompetentes para adquirir um apartamento, então reunem-se em sites como o Bolha Imobiliária para falarem mal de investidores e corretores, além de promoverem  a auto-enganação coletiva, além de destilar inveja (travestida de ódio) de todos os que já conseguiriam o que eles tanto desejam: comprar um imóvel.

Se o sujeito conseguiu mais de um imóvel, como é o caso de investidores, especuladores ou proprietários de imóveis alugados, então o ódio dos bolhotas (termo que designa os torcedores da bolha de ilusões imobiliária) é ainda maior, pois, sem qualquer fundamento fático, são responsabilizados pelo fracasso dos bolhotas (que se recusam a admitir que seus próprios erros de avaliação), e, portanto, depositários de todo o seu ódio, rancor e inveja.

Os fatos são eloquentes: no Brasil não existe bolha. Há um déficit habitacional enorme e a renda da população vem aumentado até mesmo com a economia estagnada. Com o crescimento da economia, a tendência é de mais valorizações dos imóveis, o que fará com que  quem não comprar agora, pagará mais caro em imóveis no futuro.

64 comentários:

  1. Não vivemos uma bolha? Então leia o artigo abaixo:

    Bolha Imobiliária

    O educador financeiro Rafael Seabra, em artigo para o portal Quero Ficar Rico, explicou em sete itens como se forma uma bolha imobiliária e porque no Brasil ela pode estar próxima de estourar. Confira:

    1) Aumenta a procura por imóveis e o preço sobe.

    2) Aumenta o número de investidores que compram imóveis para alugar ou ganhar dinheiro.

    3) Os preços começam a subir excessivamente, acima da capacidade de consumo das famílias.

    4) O preço chega a um patamar insustentável, afastando potenciais compradores, que passam a considerar a hipótese de alugar imóveis. Com o preço dos imóveis cada vez mais irreal, as pessoas deixam de comprar e passam a cogitar o aluguel. Até porque passa a valer mais a pena alugar do que comprar, financeiramente falando.

    5) Os preços dos aluguéis sobem pois a demanda por imóveis do tipo aumenta. Com tanta gente preferindo alugar do que comprar, o preço dos aluguéis disparam.

    6) O preço dos imóveis começa a baixar como um todo devido à diminuição da procura. O País ainda não alcançou esse patamar, mas o preço em muitas cidades já começa a subir menos ou mesmo estagnar. Já existem vários indicadores que mostram que a alta no preço dos imóveis novos desacelera em várias cidades.

    7) Há uma baixa mais expressiva nos preços dos imóveis pois os investidores começam a tentar vender os mesmos com urgência.

    Esse é o ponto que ainda não atingimos e que não há previsão de ocorrer. Vale ressaltar que esse já é o último item para decretar o estouro da bolha. E já percorremos praticamente todo o caminho para isso. O Brasil está em um dos momentos finais dese ciclo: o momento em que as pessoas deixam de comprar imóveis novos para ir atrás de casas de aluguel. É praticamente o último momento antes da bolha imobiliária efetivamente estourar nas regiões metropolitanas.

    http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/infomoney/2012/08/17/para-quatro-especialistas-imoveis-sao-pessimo-investimento-neste-momento.jhtm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Seabra!? Nunca ouvi falar de tal economista. Com artigos como esse ele desponta para o anonimato. Na realidade, esses "economistas" que advogam a existência de uma bolha imobiliária no Brasil estão querendo ser o "Noriel Rubini" brasileiro. Eles chutam que há bolha, e, caso ocorra uma redução de preços futura, querem faturar como os que previram a bolha, assim como o Rubini nos EUA.
      O problema é que o Rubini falou de bolha nos EUA quando ninguém falava nisso, e ele detectou problemas no mercado imobiliário e também nos empréstimos imobiliários, prevendo a quebra de bancos. E de fato tudo isso aconteceu, e o Rubini foi catapultado para o estrelato econômico do dia para a noite, ganhando milhões de dólares, e tornando seu site de consultoria mundialmente requisitado.
      Mas aqui no Brasil, como temos tudo de pior qualidade que os EUA, até nossos economistas que falam de bolha são de 5ª categoria: dizem que há bolha só porque os preços eles acham que estão elevados demais. Ridículo.

      Eu quero ver também até quando eles sustentam a cada de pau de falar em bolha imobiliária eternamente (já são mais de 3 anos que esses arautos preveem o estouro e até agora nada), sem que haja estouro nenhum.

      Excluir
    2. O estouro não ocorre de uma hora para outra. Como você pode ver, é um processo, e isto leva tempo.

      E mais, se as vendas estivessem tão boas como você mesma prega, porque está tão preocupada em escrever mais e mais artigos dizendo que a bolha não existe?

      Não é mais útil você trabalhar com seus clientes e fechar logo mais vendas?

      Afinal de contas, a renda dos brasileiros comporta com folga apartamentos de R$ 1 milhão.

      Excluir
    3. Ah, entendi, a bolha brasileira é uma que infla mas não estoura.Já são mais de três anos que estão falando que ai estourar e até agora nada. Tem que ter paciência esses bolhotas, heim? rs..rs..rs.

      Na boa, vocês, bolhotas, são uma piada pronta.

      É um mais engraçado que o outro. Já teve profeta da bolha, vidente da bolha, bola de cristal da bolha, e o povo continua a acreditar. Minha sugestão é que vcs criem oficialmente a religião "Sagrada Bolha Imobiliária de Banâmia" - pelo menos ganham isenção tributária....

      Excluir
  2. Veja quantos anos a bolha imobiliária espanhola demorou para estourar:

    http://www.youtube.com/watch?v=EqW9srTn7xM

    Você acha que no Brasil estouraria em apenas 3 anos? Não se trata de profecia, é apenas consequência da especulação imobiliária dos últimos anos. Reajustaram demais os preços, acima de reajustes de inflação, do INCC, e acharam que as pessoas iriam continuar aceitando os preços abusivos?

    Como você é ingênua!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinto lhe informar, mas isso aí é choro de perdedor. Vocês perderam o bonde da valorização imobiliária recente e agora ficam aí sonhando com quedas de preços. Podem arrumar uma cadeira beeemmmm confortável, pois a espera vai ser bem longa.
      Perdeu playboy!: não comprou, acreditou em bolha? Já era. Agora só resta chorar e torcer....

      Excluir
    2. Então quem não comprou há 3anos não vai conseguir comprar agora, certo???

      Então quem compra???

      Excluir
    3. Quem não comprou há 3 anos se deu mal. Agora ou vai comprar um apto menor, ou pior localizado ou posicionado, ou vai pagar mais. É simples. E quem comprou há 3 anos para investir, vai lucrar em cima de quem não comprou.

      Excluir
    4. Lucrar?

      Tem muita gente que comprou mas não está achando comprador. O saldo devedor só está crescendo e não tem condições de financiar. E tem mais duas dúzias de vizinhos vendendo os apartamentos. E ninguém encontra comprador.

      Cadê o lucro?

      Excluir
    5. Correção se não comprou a 3 ou mais anos atrás não compra mais e quem comprou em 1 ou 2 anos atrás devolve: http://www.observadordomercado.blogspot.com.br/2012/08/valor-construtoras-ja-oferecem-ate.html

      Excluir
    6. Sim, compra, só que paga mais caro, engordando os lucros dos investidores e especuladores que ante-viram o boom e se posicionaram em imóveis na planta. Para quem não comprou, só resta chorar e pagar mais caro. Mesmo assim estão pagando e comprando, pois as vendas estão em níveis acima de 2011.
      Bolhotas, esqueçam, vcs perderam! Podem começar a juntar dinheiro para dar a entrada do apto que vcs sonham, e financiar o restante. Vocês odeiam os investidores e especuladores, mas vão ajudar a engordar as contas correntes deles...
      Vocês podem espernear e gritar quanto quiserem. podem até bater o pézinho no chão e falar que não vão comprar, mas vcs estão doidinhos para adquirir e uma hora ou outra vcs virão, comprarão e deixarão todos os construtores, incorporadores, investidores e especuladores felizes.
      Vocês odeiam eles, mas eles os amam pelos lucros que vcs os levam.

      Excluir
    7. Vou comprar imóvel no distrato com 50% ou mais de desconto.

      Ou continuar no aluguel.

      Minha escolha

      Excluir
    8. Kássia Tavares,
      e você? comprou quantos imóveis 3 anos atrás? porque para estar falando dessa forma, só pode estar milionária!!! Com seu salário de 4k, comprou um imóvel de 80m2 que hoje vale 1 milhão??

      Excluir
  3. PIB crescendo isso!!!

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1143727-mercado-reduz-previsao-do-pib-a-173-e-eleva-para-inflacao.shtml

    ResponderExcluir
  4. Você vive do mercado imobiliário, nada mais justo do que defender com unhas e dentes o seu sustento.
    Mas negar que vivemos uma bolha imobiliária, só mostra o quanto está cega ao não enxergar o óbvio, esse fenômeno não é restrito ao Brasil, toda a América Latina está sofrendo com esse problema no mercado imobiliário, valores hiper inflados, bem acima do poder aquisitivo da população, o que causou uma orgia nesse setor. Parte dessa culpa é do governo, que despejou uma enxurrada de crédito, o que teoricamente seria bom, só que a ganância do ser humano sempre fala mais alto e os especuladores se beneficiaram disso para tentar ganhar algum dinheiro, além disso, imobiliárias e construtoras começaram uma disputa pra ver quem vendia mais e construía mais, resultado: mercado sobreofertado, pessoas não conseguindo financiamento, devoluções, encalhes, promoções, feirões, outlets. O mercado virou uma zona, empresas diminuíram muito os lançamentos e os seus lucros despencaram, o mercado foi contaminado com a doença chamada ganância.

    Você humilha as pessoas dizendo que perderam o bonde e tudo mais, só que você se esquece que muita gente também perdeu esse tal bonde, os propensos compradores saíram do mercado, então as vendas desabaram, pois ninguém mais está disposto a participar dessa orgia, seja HUMILDE, aceite a derrota. As pessoas que entram no seu blog não concordam com você, será que todos são uns chorões que perderam esse bonde? ou você está sendo arrogante demais? reflita sobre isso.

    Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, cenas dos próximos capítulos que levam três anos para acontecer....

      Enquanto isso, a arredação do ITBI cresce em todos os estados, mostrando que os negócios continuam a acontecer.

      A demanda por imóveis é enorme, e o mercado está passando por um ajuste transitório.

      A economia está começando a crescer mais aceleradamente. Quem esperar para comprar vai pagar mais caro que o preço de hoje. Com certeza absoluta.

      O grande erro dos bolhotas é achar que vai rolar bolha imobiliária em economia crescendo. Não vai. Esqueçam.

      Bolha imobiliária ocorre depois de orgia de crédito (entre 80% e 100% do PIB), e picos de atividade econômica. Estamos com 5% do PIB e vindos de um ciclo de baixo crescimento para um ciclo de prosperidade à taxas de 4 a 5%.

      PIB crescendo -> renda crescendo -> maior demanda por imóveis -> oferta inelástica -> preços maiores.

      Quem viver verá. E quem não comprar, chorará, ou dirá: "É bolha!" kkkkkk

      Excluir
    2. Kácia, o PIB está crescendo ? Só vejo anúncios de diminuição. Você falar isso não se trata de professia ?

      Excluir
    3. Ah, entendi. Você acompanha o PIB por anúncios e se acha muito esperto. Não tem como não tripudiar sobre vocês. Vocês são a piada do mercado imobiliário. kkkkkkkkkk

      Excluir
    4. PIB crescendo Kássia?

      Não é isto que estamos todos vendo.

      E porque os lançamentos só cairam?

      Empresas do ramo imobiliário com prejuízos enormes?

      Feirões?

      Bancos reduzindo taxas de juros e aumentando prazos para estimular o consumo?

      Só você está vendo o PIB subir.

      Excluir
    5. Eu e todo o mercado financeiro que coloca suas estimativas no Boletim Focus do BC. É claro, vocês estão muito bem informados, sobre profecias imobiliárias. Eu prefiro ficar com os fatos mesmo.

      Excluir
    6. http://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/2012/08/mercado-sobe-projecao-da-inflacao-e-reduz-do-pib-em-2012.html

      Ta aí então, notícia veiculada no mesmo site do qual você postou a última notícia no seu blog (vai dizer que não é confiável agora?). Ta vendo como cresce o brilhante PIB brasileiro?

      Excluir
    7. Na boa, como é que vocês querem discutir um tema tão sofisticado como "bolha imobiliária" sem saber nada de Economia? É por isso que vocês acreditam em profecias sobre bolha.

      Meu querido, o fato de o mercado projetar o crescimento do PIB em 2012 em 1,73% NÃO É INCOMPATÍVEL com a mesma projeção feita pelo mesmo mercado de que a economia brasileira estará crescendo, em termos anualizados, a 4% no final de 2012 e começo de 2013.

      Eu não deveria, mas eu vou desenhar para vocês só desta vez: o PIB brasileiro veio de crescimento ZERO ou ligeiramente negativo no 1º trimestre, ficou estável no 2 trimestre, e está se acelerando neste 3º trimestre e as projeções apontam que continuará a se acelerar no 4º tri.

      Então, se vc toma o crescimento de 2012 como um todo, ele levará em consideração tudo isso, e, na média, será de 1.7%.

      Ocorre que esse número de 1.7% não conta toda a história, pois no final do ano a economia brasileira estará crescendo a 4% ou mais. Ou seja, em 2013, o crescimento mínimo na economia brasileira será de 4%, pois ela entrará no ano crescendo a essa taxa e se acelerando (segundo o FMI até 7%). É claro que não dá para a economia brasileira crescer muito além dos 4%, então quando chegar a 7% em algum ponto de 2013, o BC terá que subir os juros.

      Com isso a economia deve se estabilizar em torno de um crescimento de 4%, o que é mais do que suficiente para turbinar o mercado imobiliário, pois isso leva a uma expansão forte da renda, salários e diminui muito fortemente o desemprego.

      Na realidade, os dados dessa notícia que vc colocou vêm do Boletim Focus, que mostra o consenso do mercado: PIB de 1.73% médio em 2012, mas crescendo a mais de 4% anualizados no final de 2012 e começo de 2013.

      Excluir
  5. O PIB não está crescendo, pelo contrário, o PIB brasileiro é o menor entre os BRIC's, a capacidade de endividamento do brasileiro está no limite.

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1143727-mercado-reduz-previsao-do-pib-a-173-e-eleva-para-inflacao.shtml

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colega, enquanto você acompanhar a economia pelas notícias da imprensa, você vai estar desatualizado. O mínimo que você deve fazer para se manter atualizado é ler (e entender) o boletim focus do BC. Se tivesse lido, saberia que o mercado esperava crescimento do PIB de 2012 abaixo de 2% desde o segundo semestre de 2011. Então vc só está 1 ano atrasado no quesito informação econômica.
      Mas que isso, se ler o boletim focus de agora, verificará que o mercado está prevendo a economia brasileira crescendo a 4% anualizados no fim de 2012, e o FMI projeta que, em algum ponto de 2013, a economia brasileira estará operando a 7%.
      Evidentemente, esse tipo de informação vc não obtém em sites que fazem profecias sobre o mercado imobiliário.....

      Excluir
  6. Acho que o teu forte é fazer blog pra fumante mesmo...

    ResponderExcluir
  7. Engraçado como esse site "bolha imobiliaria", não aceita comentarios que não sejam sobre estouro de bolha, baixa nos preços e coisas negativas, ja postei varias vezes sobre informaçoes contrarias a deles no site e nunca foram postadas.
    Eu vivia de aluguel, consegui comprar um terreno e construir graças a ajuda do governo, tenho uma casa que posso chamar de minha e esses malukos querem que pais de familia quebrem e fiquem devendo pro governo....vão trabalhar ou achar uma mulher pra contruir uma familia, bando de invejosos e mal amados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E parabéns pelo seu site Kássia, ter paciencia pra responder esses lunaticos não deve ser facil.

      Excluir
    2. Olá Marcos, então, esse pessoal do site Bolha Imobiliária vive em um mundo imaginário alimentado por profecias de estouro da bolha, artigos tendenciosos e sem fundamentação técnica. Obrigada pelo elogio ao site e parabéns pela aquisição de seu imóvel, já que isso traz uma segurança para a família que não tem preço que pague.

      Excluir
    3. Kássia, as bolhas imobiliárias estouraram em todo o mundo. Só no Brasil que será diferente? E não me venha com estas desculpas de PIB, de cimento per capita, de abertura de financiamento, porque o maior problema está claro e óbvio para todos: a especulação imobiliária.

      Excluir
    4. Como "estouraram em todo mundo"?. Nenhuma bolha estourou na Inglaterra, nem na França, nem na Alemanha. Não teve bolha estourada nenhuma na Austrália (tem torcida como aqui, mas não estouro), nem na China, nem na Coréia do Sul. Não tem bolha no México, nem no Chile, nem no Uruguai. nem na Itália. Enfim, bolha mesmo teve nos EUA e na Espanha. Como os EUA eram o maior país do mundo, o termo ficou famoso e tem gente aqui no Brasil querendo copiar. Só que antes precisa inflar muito, com 100% do PIB de crédito, mercado de hipotecas desenvolvido, permissão de financiamento de mais de 100% do imóvel sem sinal, empréstimo para quem não tem nem emprego, nem renda e nem bens (NINJA), etc. Falta muito para começar a criar uma bolha no Brasil.
      O que temos no Brasil é chororô de gente que perdeu o bonde de 2007 e agora sonha que os preços voltem para eles entrarem. Já era. Quem comprou em 2007 e 2008 e 2009 comprou, quem não comprou vai pagar mais caro. E bem caro. Ou vai morrer no aluguel se enganando que aluguel é o melhor negócio do mundo e falando que tem "bolha".....

      Excluir
    5. Chororô que estou vendo é entre corretores, anunciado imóveis em todos lugares possíveis da cidade, sujando praças, atrapalhando a visão das pessoas, enchendo os emails com propagandas.

      Se a maioria dos prédios foi 100% vendido no dia do lançamento, se a renda acompanha o valor dos lançamentos e se imóvel é um excelente investimento, porque tem tanto anúncio nas ruas?

      porque tem tanta gente vendendo imóvel?

      não é melhor aguardar mais 4 anos e ganhar mais 100% de lucro?

      E se bolha é uma bobagem, porque você perde tanto tempo escrevendo um blog para negar a existência dela?

      Ou você está com medo de perder dinheiro pelos prejuízos da sua imobiliária, já que o mercado está em clima siberiano?

      Excluir
    6. Querido, o mercado imobiliário hoje é muitas vezes maior que há 4 anos atrás. Agora não tem apenas mais gente vendendo, tem muito mais gente comprando, mais gente construindo, mais gente especulando, mais gente investindo. O mundo anda....Go ahead that behind comes people...

      Excluir
    7. Olha, ela sabe falar inglês!

      Excluir
    8. Esse inglês dela não é nem do nível "the book is on the table". É do nível "the book is about the table".

      Explicando pra Kássia, que não deve ter entendido: "Go ahead that behind comes people" NÃO FAZ SENTIDO. O uso do "that" está errado, já que o that em inglês é PRONOME DEMONSTRATIVO e não pode ser substituído por "que" quando esse pronome não assume essa função na oração.

      Excluir
    9. Esse "Sendo Crítico" é bem "burrítico"...o "that", na minha frase, não é um pronome demonstrativo, mas um complementizer.

      Excluir
  8. "Se a massa está falando que há bolha, então com certeza não há."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O termo "bolha imobiliária" no Brasil virou uma forma de designar a elevação recente dos preços dos imóveis. Então muita gente fala, está na boca do povo, mas isso não significa que os preços vão baixar. Quem está esperando isso vai se dar muito mal, pois os preços de imóveis vão subir ainda mais...
      E, sempre é bom lembrar, "toda unanimidade é burra".

      Excluir
    2. Vão subir? Está certo. Mas te pergunto, quem vai comprar?

      A unanimidade dos SECOVIs, SINDUSCON´s, especialistas do mercado imobiliário que falam em valorização anual de 20% ao ano também é burra.

      Mas os compradores não são burros.

      Não menospreze a inteligência alheia. E nem ache que iremos comprar imóveis fusca a preço de ferrari.

      Excluir
    3. Só sobe porque tem gente comprando em preços mais elevados. Do contrário cairia.

      E não existe unanimidade alguma de SECOVI e SINDUSCON falando que vai subir 20% ano ano. De onde vc tirou isso? Coloque um link para sustentar sua afirmação. Quem afirma isso está chutando, e essas entidades não chutam.

      O que eles afirmam é que não há bolha imobiliária, que os preços não vão cair, e agora estão dizendo que os preços vão se acomodar e vão acompanhar a inflação.

      Mas eu acho que eles estão errados. Quando a economia voltar a crescer a 4%, os preços vão se acelerar novamente.

      Excluir
    4. E nem ache que iremos comprar imóveis fusca a preço de ferrari.

      O mercado não está precisando de você, nem do seu dinheiro, nem de você comprar nada.

      Tem muitos outros que vão comprar, e financiar e etc.

      Excluir
    5. Kássia, não é chute, é notícia de jornal. Saiu no Correio Braziliense em 08.11.2009.

      Noroeste inflaciona preços dos imóveis
      Lançamento do setor provocou um efeito difusor no mercado imobiliário. O preço do metro quadrado às margens do Paranoá chegou a R$ 12 mil. Especialistas preveem que, em cinco anos, valor atingirá R$ 20 mil

      Setor residencial com um dos metros quadrados mais caros da capital do país, o Noroeste tem alavancado os preços dos imóveis em todo o Distrito Federal. Os primeiros lançamentos no setor ecológico tiveram efeito difusor sobre o mercado da capital, que passa a ocupar este ano o segundo lugar no ranking de cidades onde mais se vende imóveis só perderá para São Paulo. A demanda crescente deve fazer com que os preços dobrem nos próximos cinco anos, segundo estimativas dos empresários do setor.

      Até dois anos atrás, o metro quadrado a R$ 8 mil era considerado inaceitável pelos consumidores. Os primeiros apartamentos do Noroeste foram vendidos com valores que variam de R$ 8 mil a R$ 10 mil o metro quadrado. No fim de semana passado, a Lopes Royal comercializou quase 100 flats à margem do Lago Paranoá a R$ 12 mil o metro quadrado. Em Águas Claras, o valor dos imóveis quase dobrou desde 2007. Os últimos lançamentos feitos na cidade passam de R$ 4 mil o m². Em Samambaia e no Gama, os valores superam R$ 2,5 mil.

      E a tendência é que os reajustes continuem. Portanto, os brasilienses devem se preparar. Pela previsão dos empresários do setor, se o índice de crescimento seguir o mesmo ritmo registrado desde o início da década, de 20% de valorização ao ano, em pouco tempo, o DF atingirá os valores verificados em São Paulo e no Rio de Janeiro. Ou seja, em apenas cinco anos, o brasiliense terá que conviver com preços que chegam a R$ 20 mil o metro quadrado. Os preços aqui não chegaram no ápice. Há espaço para crescerem mais, avisa Marco Antônio Demartini, diretor da Lopes Royal.

      A expectativa é de que o volume geral de vendas de imóveis no DF atinja, em 2009, R$ 3,1 bilhões, contra R$ 2,1 bilhões registrados no ano passado. Em 2008, o Rio de Janeiro vendeu o equivalente a R$ 2,5 bilhões, mas, este ano, a capital fluminense não deve ter crescimento sobre o ano anterior. São Paulo aparece em primeiro lugar, com vendas no valor total de R$ 7,2 bilhões. A região do Plano Piloto é muito valorizada pela escassez de terrenos e por estar em boa localização, mas está longe de ser a mais cara do país, o metro quadrado na orla da Zona Sul, no Rio de Janeiro, pode chegar a R$ 30 mil, afirma Frederico Kessler, diretor regional da Rossi, presente em mais de 60 cidades brasileiras e com um lançamento previsto para este ano no Noroeste.

      Crescimento
      Mas o ritmo de crescimento do mercado no DF ultrapassa o das duas cidades, na opinião do gerente nacional de vendas da João Fortes Engenharia, Jorge Rucas. A valorização vista em Brasília é a maior do país. As zonas sul de São Paulo e do Rio de Janeiro são mais caras, mas a valorização ano a ano do DF como um todo é bem maior. O Noroeste ajuda a puxar os valores para cima. A oferta no Plano Piloto está muito baixa, e a demanda, elevada, o que pressiona o preço, afirma. A João Fortes Engenharia lançou, esta semana, seu primeiro empreendimento no novo setor. Em 2010, vai lançar outras três obras.

      Excluir
    6. E cadê a promessa de valorização de 20% ao ano aí nessa notícia?
      Não existe nenhuma promessa aí de valorização. O que existe é uma constatação, que nos últimos anos ocorreu uma valorização média de 20% ano ano no mercado de Brasília, mas não há qualquer promessa de 20% de valorização futura. Isso seria profecia, e quem vive de profecias nós sabemos quem são: os bolhotas.
      Portanto, se vc não consegue um link que prove sua afirmação de que "SECOVI´s e SINDUSCON prometem 20% de valorização", fica provado que vc estava errado na sua afirmação.

      Excluir
    7. Kássia, aprenda a ler nas entrelinhas. É uma promessa sim de valorização futura. Só você não enxerga que estes órgãos só falam em valorização, valorização, e não querem assumir que estamos prestes a uma grande crise no setor, como já tem apontado várias notícias. Queda nas vendas, queda nos lucros, menos lançamentos, descontos e mais descontos.

      E já que você entrou no âmbito das provas, vamos lá:

      - Prove a existência real da sua amiga CLÁUDIA, que você afirma que perdeu R$ 75 mil reais. Traga os documentos e valores. Peça para ela dar seu depoimento e poste um vídeo aqui.

      - Prove qual categoria de assalariados ou funcionários públicos teve salário reajustado em 100% entre 2009 e 2011, acompanhando a alta dos imóveis.

      - Prove que os imóveis não estão encalhando. Traga dados fiéis de quantos imóveis e qual o valor deles está sendo negociado por mês, e não dados genéricos de ITBI ou cimento.

      Vamos, prove! Já que você é a bambambam dos negócios imobiliários.

      Excluir
    8. Ah, entendi, como você não consegue o link com declarações de representantes do setor que sustentem sua afirmação falaciosa de que se prometia 20% de valorização futura, então você inventa que está nas "nas entrelinhas". Entretanto, por mais que se torça a interpretação, é impossível dizer, à luz da gramática da Língua Portuguesa vigente no Brasil, que o texto contém qualquer tipo de promessa de valorização futura, nem mesmo em "entre linhas". Desconfio que você não conhece o significado de "inferência".

      Mas, também, de pessoas que acreditam em profecias econômicas pode-se esperar o quê?

      Excluir
    9. Estão nas entrelinhas sim, cara corretora de imóveis. Releia:

      "tendência é que os reajustes continuem"
      "os brasilienses devem se preparar"
      "previsão dos empresários do setor"
      "em pouco tempo, o DF atingirá os valores verificados em São Paulo e no Rio de Janeiro"
      "em apenas cinco anos, o brasiliense terá que conviver com preços que chegam a R$ 20 mil o metro quadrado"
      "Os preços aqui não chegaram no ápice. Há espaço para crescerem mais"

      Eu não acredito em profecias econômicas, eu dou valor ao dinheiro que ganho e não compro gato por lebre, nem imóvel bolhudo.

      Excluir
    10. Tudo isso aí tem um "se" antes. Sabe o que é um "se"? Trata-se de uma condicional! Além disso, sua notícia é velha, de 2009! E, de 2009 para 2012, a valorização foi até superior a 20% ao ano. Ou seja, quem decidiu, em 2009, com base nas informações colocadas por SECOVI e SINDUSCON nessa notícia aí de 2009 fez um ótimo investimento!

      E quem não comprou, agora só resta chorar e esperar o milagre. Ou morrrrerrrrrrrrr no aluguel....kkkkkkkk

      Excluir
    11. Onde é que aconteceu isto?

      E, de 2009 para 2012, a valorização foi até superior a 20% ao ano.

      Excluir
  9. Não estão comprando. Basta verificar a quantidade de imóveis nos classificados, que só aumenta, e muitos deles ficam anunciados por mais de 6 meses, alguns até mais de ano.

    Sem falar nos ágios de pessoas que acreditaram nos papos de corretor, e agora estão tentando vender, sem sucesso, afinal de contas não é qualquer louco que aceita comprar ágios caros e saldos devedores impagáveis em 30 anos.

    As pessoas sabem fazer contas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 6 meses a 1 ano é um prazo absolutamente normal para vender um imóvel. Quem trabalha com menos que isso não está planejando adequadamente seus investimentos.

      Excluir
    2. E a pessoa enquanto isso fica pagando condomínio e perdendo o rendimento das aplicações bancárias. Um condomínio de um imóvel na Barra da Tijuca raramente sai por menos de mil reais ao mês. Enquanto espera o comprador um dono de um imóvel que vale (supostamente) 500 mil tem que pagar mil reais todo mês e deixa de ganhar 2500 reais considerando que esse valor poderia estar aplicado em uma caderneta de poupança. Se eu anuncio um imóvel no início do ano por 500 mil reais e só o vendo no final do ano por esse valor e o mesmo ficou fechado por todo esse tempo, então perdi (2500 + 1000)x12= 42 mil reais. Quase 10% do valor do imóvel.

      Excluir
    3. Os imóveis hoje se valorizam em média mais do que qualquer aplicação de renda fixa. Segundo o FIPE-ZAP, só em junho foi de 1%, portanto é possível ir atualizando o preço do imóvel todo mês. Na realidade, o que se faz é colocar um preço bem elevado, que já contempla uma boa lucratividade e vendo como o mercado se comporta. Além disso, imóvel na planta é investimento alavancado, o significa que está operando um ativo que vale R$ 500k, por exemplo, mas tendo investido apenas R$ 100k. Então o lucro é muitas vezes multiplicado.
      Então vc pode tirar os R$ 2.5k a mais por mês pois isso está embutido no preço. Além disso, pode tirar os R$ 1k também, pois imóvel de R$ 500 k tem condomínio de R# 400 reais no máximo, pelo menos é o que eu vejo em SP e BSB.
      E, por fim, quem não quer comprar, que não compre. Deixem os bons negócios para quem efetivamente sabe lucrar no mercado imobiliário. Fiquem mesmo fazendo continha de português de aluguel de 0,3% e continuem pagando aluguel a vida inteira, lembrando que os proprietários dos imóveis que vcs alugam pagaram de 1/5 a 1/10 do valor de hoje, logo vocês, inquilinos, são um ótimo investimento para os proprietários! Portanto, isso mesmo! Continuem dando lucros e mais lucros para os investidores e continuem a se enganar achando que estão fazendo ótimo negócio. Tem situação melhor que essa para os proprietários e investidores? Inquilinos e compradores que dão ótimos lucros e ainda acham que estão fazendo excelentes negócios...kkkkkkkkk

      Excluir
    4. O problema Katia é ter essa ilusão de que sempre vai subir. QUal é o limite? Moro na Barra da Tijuca em um condomínio com grande infraestrutura. Paguei 535 mil no meu apto no ano passado + as taxas, coisas que as pessoas ignoram nas transações. Bom, dizem que meu apto vale hoje 650 mil. Mesmo que eu o venda por esse valor, teria que pagar pelo menos uns 30 mil para o corretor + o imposto de renda se eu não comprar um imóvel no prazo que determina a lei. Nesse período de um ano a inflação girou em torno de 5%. Se eu tivesse aplicado 535 mil na poupança teria ganho pouco mais de 6% nesse período. Nesse caso teria quase 570 mil no final de um ano livre de impostos. Além disso, fiz pequenas reformas no apto que devem ter me consumido uns 10 mil reais. O que quero te mostrar é que mesmo com o meu imóvel tendo aumento 115 mil reais em termos nominais, caso eu venha a vendê-lo, não "lucrarei" mais do que 30 mil reais caso não compre um imóvel no prazo que a lei determina. Sei fazer contas muito bem.

      Só para que vc não acha que estou errado, meu apto, quando foi lançado com um preço considerado barato na época em uma a´rea com potencial no Rio, custou ao comprador 235 mil reais. A escritura foi assinada em 2002. Mesmo com toda essa valorização, e moro em um dos lugares que mais se valorizaram no Rio, o meu apto foi saiu por 535 mil no ano passado. As pessoas pegam um intervalo curto, onde os preços dispararam, e acham que isso ocorrerá eternamente. Se eu pegar a inflação do período e aplicar em cima desses 235 mil (A variação do índice IGP-DI (FGV) para o período de 01/04/2002 a 31/07/2012 é 127,6422% de acordo com o site www.calculos.com ) poderemos ver que o ganho real foi muito pequeno. O preço que paguei no ano passado somente repôs a inflação do período. Se esse mesmo valor tivesse sido aplicado em um fundo de renda fixa, que nesse período rendeu bastante, o valor seria muito maior do que o que paguei pelo imóvel.

      Não se iludam com alta de preços no período de 3 ou 4 anos. Peguem períodos maiores. Onde moro a avenida que passa em frente foi quadriplicada, ocorreram melhorias por causa dos Jogos Pan Americanos, houve uma grande valorização na região além da ocorrida no setor imobiliário, entre outras coisas.

      Na Barra da Tijuca os condomínios são muito caros. Pagamos um aluguel de condomínio praticamente, mas o condomínio tem piscina, transporte, jardins, academia, etc.

      Excluir
  10. Já vi que você entende bem de economia. Nesse caso, devemos considerar os diversos custos de transação envolvidos em uma operação de compra e venda de imóveis. Nesse caso, o comprador sempre gasta mais do que o valor do imóvel (ITBI, certidões, pequenas reformas, etc) e o vendedor recebe menos do que o que está no contrato (IR, certidões, taxa de corretagem, etc.)

    ResponderExcluir
  11. Kássia, atualmente não se consegue mais esta alavancagem na compra de imóveis na planta, pois os preços estão muito mais altos que imóveis já prontos e zero km.

    Várias pessoas compraram imóveis com esta ilusão, e atualmente estão sendo obrigadas a devolver os imóveis ou então ter prejuízo na venda do ágio.

    Antigamente isto dava lucro, ou quem comprou até 2007. Quem comprou após isto não consegue mais lucro com alavancagem. Sem falar na concorrência enorme no setor, onde 40% da intenção de compra é para revenda até a entrega das chaves.

    Resumindo, um péssimo negócio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. As pessoas se iludem com essa tal valorização e acabam ignorando os custos de transação e a inflação. Mesmo o sujeito que comprou um imóvel por 200 mil em 2008 e depois vendeu por 400 mil recentemente não teve esse lucro todo se fizer as contas direitinho. Existem momentos que o valor do imóvel aumenta 1% ao mês, mas se isso ocorresse eternamente, um quitinete no subúrbio em alguns anos custaria mais de um milhão. É claro que uma hora ocorre uma correção, seja pq os preços param de subir ou mesmo despencam, a inflação dispara, a região onde está o imóvel piora (nem sempre tudo melhora), etc.

      Excluir
  12. Olá Kássia, ao meu ver existe uma bolha sim. Estou pesquisando preços dos apartamentos aqui na Zona Norte de São Paulo e os preços já caíram, algo em torno de 10% em relação ao começo de 2012. Tem um empreendimento na Vila Amália onde a construtora pede R$5.500 por metro quadrado de um apartamento baixo padrão na planta. Algo simplesmente fora da realidade. Não acredito que haja um estouro da bolha, mas uma deflação dos preços nos próximos anos. Abs!

    ResponderExcluir
  13. Tia Kássia, não adiana você vir com expressões agressivas, como estas:

    "Bolha Imobiliária" é desculpa para a incompetência em comprar um imóvel

    http://www.politicaeconomia.com/2012/08/bolha-imobiliaria-e-desculpa-para.html

    destilam todo seu ódio contra os que têm dinheiro para comprar um apartamento no Noroeste

    http://www.politicaeconomia.com/2011/11/ideologia-da-inveja-e-o-movimento.html

    Deixe que cada um tome suas decisões, sem palavras agressivas.
    Porque forçar a barra para as pessoas comprarem? As vendas não estão indo bem como você esperava?

    ResponderExcluir
  14. NAO ESQUENTA NAO, ISSO SO VAI ACARRETAR O CRESCIMENTO DE GENTE QUE MORA EM FAVELAS E PERIFERIAS, A FELICIDADE DE UM SER HUMANO NAO DEPENDE DELE MORAR EM APARTAMENTO BEM LOCALIZADO OU NA PERIFERIA

    ResponderExcluir
  15. nao acredito no que estou lendo. as construtoras ficaram milionarias subindo os precos descaradamente. e agora a dona do blog coloca a culpa nos compradores. voce e dona de qual imobiliaria ou construtora?

    ResponderExcluir
  16. E quem tem condições de comprar, mas tem consciência do roubo que é pagar 3x mais aqui no Brasil do que em países do primeiro mundo? Como explica? Por não querer ver seu dinheiro desvalorizado no futuro ele é o que? Chorão? Acho que quem não tem dinheiro é você, porque era preocupada em derrubar argumentos alheios pra poder ganhar o pão de cada dia. É, difícil essa vida de enganar os outros, né?

    ResponderExcluir
  17. No prédio onde eu moro, o aluguel e o condomínio juntos custam 1400 reais e tem apartamentos sendo ofertados por 350 mil. Ou seja: Se considerarmos que a despesa do aluguel corresponda a 0,5% do valor do imóvel, o valor "justo" do apartamento seria = 1400 / 0,005 = 280 mil. Sendo assim, eu prefiro continuar no aluguel.

    ResponderExcluir
  18. Dizer que "Bolha Imobiliária" serve para designar, na cultura popular, o fenômeno de elevação de preços de imóveis nos últimos anos" de por si já invalida a credibilidade do artigo.

    O termo bolha é proprietário do campo econômico, não da cultura popular. Não creio que seja necessário tecer linhas a respeito da etimologia da expressão.

    O artigo tem uma clara conotação evasiva sobre o tema, utiliza termos inadequados ("o sujeito"?) e não planeja mais que fazer vista grossa ao debate, menosprezando-o ao invés de ponderar e emitir uma opinião acorde.

    Sem entrar na parte de que não compra um imóvel que não tem competência. Não compra um imóvel quem não tem recursos. Curioso dizer que "quem não comprar agora vai pagar mais caro no futuro",qual é a novidade nisso?

    Conteúdo lixo; não é a toa a ausência da autoria do texto.

    ResponderExcluir

Observação: comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões) ou conteúdo ofensivo, racista, homofóbico ou de teor neonazista ou fascista (e outras aberrações do tipo) serão apagados sem prévio aviso.