sábado, 5 de novembro de 2011

Os índios do Setor Noroeste vestem GAP

Uma reportagem publicada no site da Revista Veja sobre a "eclética aldeia indígena da capital federal", localizada Setor Noroeste, mostra que a disputa é travada por índios que vestem GAP e Reebok, apoiados por estudantes em tempo integral (alguns dos quais apoiadores também da Marcha da Maconha) e advogados que chegaram a exigir R$75 milhões de reais para desocupar a área.

Índios do Setor Noroeste  vestindo GAP

O Noroeste é reivindicado por moradores, integrantes de tribos Fulniô, Guajajara, Kariri-Xocó e Terena, que afirmam que a área começou a ser ocupada por tais tribos em em 1957 por "parentes" que se mudaram para o Centro-Oeste com o intuito de trabalhar na construção da nova capital. Entretanto, estudos antropológicos mostram que quando Brasília começou a ser construída não havia sinal da presença indígena e a área era apenas um ponto de passagem de grupos nativos que nunca se fixaram na área onde hoje é o Distrito Federal. A própria Fundação Nacional do Índio - FUNAI - não reconhece o local como uma área tradicional dos indígenas.

acampamento dos estudantes no Setor Noroeste em Brasília

A disputa começou em 2008, quando um advogado dos índios chegou a exigir 75 milhões de reais de indenização, mas não teve sucesso. Desde então a causa vem ganhando adeptos de estudantes em tempo integral da UnB - que acabam funcionando como massa de manobra de interesses de partidos políticos que alocam militantes para se infiltrar, liderar e coordenar o movimento.

Reserva Indígena no Setor Noroeste em Brasília

A reportagem da Veja também aponta que o agrupamento no Noroeste em nada lembra uma aldeia tradicional indígena, pois é formada por casas de alvenaria, barracos de madeira e construções distribuídas de forma irregular. Mais recentemente a área foi tomada também por barracas de camping trazidas por jovens que se solidarizaram com a causa.

Estudantes da UNB e índios no Setor Noroeste

Em meio a índios branquelos rechonchudos com cara pintada vestindo agasalho da famosa grife GAP, índios com camisa da Reebok, punks, e jornalistas recém-formados que reclamam de mosquitos, há um fotógrafo francês casado com uma antropóloga brasileira, que se mostra "indignada" com quem questiona a pureza dos índios do Noroeste: "Essa ideia de que índio é determinado por sangue é uma falácia", teoriza. "Índio é quem se identifica como índio e é reconhecido como tal pela própria cultura". A antropóloga afirma que prefere não se identificar por causa da "criminalização dos movimentos sociais".

Índios do Setor Noroeste


50 hectares: nem o advogado sabe explicar o motivo

O Poder Judiciário já determinou que a área do Noroeste que ficará reservada aos indígenas será de 4,6 hectares, mas os "índios" exigem 50 hectares. Entretanto, nem mesmo o advogado que os representa consegue mostrar o motivo de reivindicação de uma área tão grande. Segundo o advogado, os 50 hectares seriam necessários para a "sobrevivência", mas o mesmo advogado informa que os "índios" não caçam e tampouco pescam, pois não há rios e nem mesmo animais na área - exceto os domésticos. Além disso, o que se planta na área não ocupa 50 hectares e não é suficiente para sobreviverem.

Reserva indígena - FUNAI - Setor Noroeste - Brasília

Na realidade a caça e a pesca não são necessárias, pois os índios moradores do local têm emprego fixo, como é o caso de Santxiê Fulniô, o cacique, que trabalha na Funai, ou estudam, como Gilberto Fulniô, formado em Teologia, e que, segundo a Veja, pretende se matricular num curso de Pedagogia. Quando são solicitadas fotos por parte da imprensa, os índios correm e colocam o cocar na cabeça.

Segundo a reportagem da Veja, mulheres, crianças e idosos são raros no acampamento. Leia a reportagem completa no site da Revista Veja.


3 comentários:

é de som disse...

estes estudos antropológicos são de quem?
quem é esse maluco que afirma isso?

Kássia Tavares disse...

O laudo antropológico da FUNAI feito em 2003 que afirma isso.

Guilherme Eduardo disse...

Essas roupas de grife é tudo pirata gente, vamos pensar um pouco. Se o repórter entrevistasse o rapaz provavelmente ele falaria que comprou na feira por R$ 20,00.

Postar um comentário

Observação: comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões) ou conteúdo ofensivo, racista, homofóbico ou de teor neonazista ou fascista (e outras aberrações do tipo) serão apagados sem prévio aviso.

alert('Olá prazer em conhecê-lo!'); alert('Olá ' + comment.authorUrl + ', prazer em conhecê-lo!');