quarta-feira, 28 de março de 2012

Petralha comete artigo sobre Bolha Imobiliária e continua a sustentar a crença

A crença na "Bolha Imobiliária" no Brasil tem sido sustentada até agora por artigos que fazem uso de argumentos equivocados do ponto de vista técnico. Mas o artigo "A Bolha Imobiliária (Parte II)" do auto intitulado "O Enciclopedista" conseguiu bater todos os recordes no quesito "bobagem". Trata-de do pior e mais equivocado artigo já escrito sobre o assunto.

Bolha Imobiliária

O artigo já começa mal, pois o autor faz uma mistura de pseudo sociologia esquerdista barata com análise do mercado imobiliário, chegado a sugerir a existência de um espécie de pacto maligno que faria com que grande parte da população ficasse excluída dos melhores lugares.

O fato é que as regiões nobres das grandes cidades são locais com área restrita onde não cabem todos que querem lá habitar. Então temos uma clara situação de elevada demanda associada à oferta limitada, levando a preços elevados. Se o autor conhecesse teoria micro econômica básica (como a lei de oferta e da demanda) não cometeria um erro básico desse.

Mas o pior ainda está por vir. O autor, um tal de Leo Rosatto, mostra-se um autêntico petralha. No item 1 de seu libelo, ele faz uma defesa apaixonada e velada do governo Lula, apontando-o como o grande responsável pelo processo de ascenção social dos pobres a partir de 2003.

Mas aí ele constata o óbvio: que a “ascenção” promovida pelo governo de Lula/PT não foi ascensão social nenhuma. Foi apenas um processo eleitoreiro em que se facilitou o crédito para que uma grande parte da população pudesse consumir bugigangas eletrônicas e votar no PT.

Evidentemente todo o processo de expansão do crédito na economia brasileira só foi possível com as reformas implantadas pelo governo FHC no final da década de 90. Mas isso já foi discutido por aqui anteriormente.

Entretanto, o autor usa esse fenômeno para colocar mais uma teoria conspiratória: a de que a suposta "Bolha Imobiliária" seria parte de uma "lógica perversa" (os petralhas gostam desse termo) que impediria que essa nova “Classe C” pudesse melhorar de casa, assim como consumiram mais bugigangas.

Não existe "lógica perversa" nenhuma aí. O que há, de fato, é que enquanto bugigangas podem ser importadas, imóveis não. Então uma elevação da demanda se reverte imediatamente na elevação de preço. Como o autor do artigo não está familiarizado com os processos econômicos básicos, então ele precisa apelar para teorias conspiratórias sem sustentação em fatos para justificar as bobagens que escreve em seu texto.

Posteriormente o artigo tenta usar algo mais técnico, ao fazer uma correlação entre o aumento do consumo das famílias com o preço dos imóveis. O resultado não é outro senão a evidência de que o autor ignora todos os estudos acadêmicos sobre o assunto.

Preços de imóveis não são influenciados por consumo de famílias, mas por taxas de juros, PIB , comportamento da Bolsa de Valores, como mostrado nos artigos acadêmicos sobre o assunto abordados em nosso artigo: “O que influencia o preço dos imóveis”.

O ambiente totalmente conspiratório continua na insinuação de que a suposta bolha imobiliária brasileira seria do interesse de um suposto lobby de empresas interessadas no assunto. E o tal lobby seria, então, a “iminência de uma bolha”. O autor demonstra desconhecer o termo lobby, e seria saudável que pesquisasse o assunto antes de tentar usá-lo em seus “artigos”.

O “Grand Finale” do cabedal de bobagens relacionado por Leo Rossato em seu artigo, porém, é o de que o preço dos aluguéis em alta é sintoma de bolha!? Até aqui, todos os artigos que sustentam a tese da existência da bolha imobiliária falam exatamente o contrário. Essa novidade vai contra os outros argumentos dos que sustentam a existência de bolha.

Aliás, o único argumento minimamente técnico para sustentar a hipótese de uma bolha no Brasil seria que o preço dos aluguéis estão relativamente baratos em relação aos preços dos imóveis. Logo, uma elevação do preço dos aluguéis é a negação da bolha, e não o contrário. Em resumo: se os aluguéis estão baixos é sinal de bolha. Mas se os aluguéis sobem, também é sinal de bolha! Esse é o tipo de argumento utilizado para sustentar a crença na Bolha Imobiliária no Brasil.

Enfim, o texto do petralha Leo Rossatto conseguiu, até o momento, ser o pior artigo que li sobre a existência de bolha imobiliária no Brasil, pelo fato de que o autor tenta justificar a hipótese com o velho e gasto arsenal de besteiras esquerdistas.

Ou seja, nossa espera por uma artigo minimamente consistente que sustente a hipótese de bolhas em preços de imóveis no Brasil será aparentemente mais longa do que prevíamos.

12 comentários:

Carlos Wagner disse...

Nunca achei que diria isso, mas: Concordo com você, em termos! O texto tem claro viés esquerdista e fantasioso, conforme critiquei.

Aproveitando o ensejo aproveito para lhe dizer que você peca pela soberba em achar que sua opinião é o unico caminho que leva ao paraíso. Da mesma maneira, seu texto é pouco explicativo e suas criticas referem-se sempre às "TEORIAS BASICAS" de assuntos diversos, mas quais são essas teorias básicas? O que ela dizem? Qual a discrepância entre elas e a argumentação do autor do texto?

Percebe como isso, ao invés de desacreditar o texto, desqualifica você?

Tente ser mais clara em suas proximas criticas.

Kássia Tavares disse...

Olá, Carlos, por "teorias básicas" entenda coisas bem básicas mesmo, como a prosaica lei da oferta e da procura. O autor do artigo sustenta que existe uma segregação de pobres das regiões nobres de SP e RJ, quando isso é decorrente da básica lei da oferta e da procura. Ora, os bairros mais valorizados tem preços elevados pois há uma oferta limitada de espaço para muita demanda para morar nessas regiões. Trata-de de um processo econômico natural, e não de uma conspiração como sugere o autor do artigo.
Depois ele novamente lança mão de teorias conspiratórias para afirmar que a "bolha Imobiliária" seria um artifício para manter preços elevados e, portanto, manter a desigualdade. Ou seja, uma papagaiada sem fim esse artigo, pois os preços atuais são sustentados por fundamentos econômicos já mostrados em artigos deste blog.
Portanto, quando digo "teorias econômicas básicas" são básicas mesmo. Nem economista é necessário ser para conhecê-lo.
Em resumo: esse "artigo" do Leo Rosatto é libelo esquedóide sem fundamentação em nenhum fato, só fantasias. É o campeão de bobagens, até agora.

Zé Rodolfo disse...

Também concordo com você. O texto é muito fraco. Mas negar a existência de uma bolha imobiliária no Brasil é insanidade. Não sei como são as coisas aí onde você mora, mas no Brasil as pessoas normais, aquelas que procuram imóveis para morar, e não para especular no mercado, não podem mais assumir altas nos preços dos imóveis. Agora reconheço que você pode ter certa razão, que as pessoas que crêem na bolha imobiliária sao na verdade aqueles que não tem dinheiro e ficam achando uma desculpa esfarrapada para justificar a própria incompetência em poder morar na casa própria. Bom, acho que eu, engenheiro civil formado em uma instituição federal, com salário bem acima da media nacional, investidor prudente, com boa reserva econômica e sem nenhuma dívida pertenço à esse grupo de desafortunados.

Kássia Tavares disse...

Olá Zé Rodolfo, não sei de onde você tirou que eu sustento que "as pessoas que crêem na bolha imobiliária sao na verdade aqueles que não tem dinheiro e ficam achando uma desculpa esfarrapada para justificar a própria incompetência em poder morar na casa própria.".
Eu apenas sustento com base em fatos econômicos que não há uma bolha de preços imobiliários no Brasil, e que os preços são sustentáveis. Só isso e mais nada. O resto é mais fantasia (o que é compreensível para quem está esperando que os preços de imóveis no Brasil caiam em um passe de mágica (estouro de bolha).

Neleus disse...

Vc não entendeu:o aluguel está alto, subiu também no os últimos anos. Mas não subiu tanto quanto o valor dos imóveis.Ocorre que como não há crédito para aluguel o limite que a renda do povo suporto é atingido mais rápido no aluguel.

Unknown disse...

Kássia, não sou economista, mas entendo de São Paulo e do setor imobiliário local:

"O fato é que as regiões nobres das grandes cidades são locais com área restrita onde não cabem todos que querem lá habitar. Então temos uma clara situação de elevada demanda associada à oferta limitada, levando a preços elevados."

Discordo, veja o histórico dos censos da cidade:

http://smdu.prefeitura.sp.gov.br/historico_demografico/tabelas.php

Eu fui criando e moro em área "nobre" desde que nasci, em 1971, e o espaço ocupado para todos que "querem" habitar essas áreas é subutilizado hoje, ou seja, tinham mais habitantes em áreas nobres em 1980 do que hoje. É óbvio que querer não é poder, vieram crises e ficou caro morar em área "nobre" para muitos. Por isso existe tanto trânsito, as pessoas moram cada vez mais longe das áreas que querem morar.
Pela legislação, não foi permitido o adensamento necessário, já que a infra é extremamente limitada no Brasil. Prédios com mais de 40 andares(como em NY) amenizariam o problema, mas isso é utopia por aqui.
Quanto a bolha, é realmente impossível prever se ela um dia irá explodir. Tem gente que tem interesse que ela exista e tem gente que tem interesse que ela não exista, depende das vantagens, como sempre.

Lulu.Designer disse...

ISSO E UMA BOLHA IMOBILIARIA. LI O ARTIGO E O AUTOR NAO PARECE SER ESQUERDISTA COMO O TEXTO ESSE ACIMA. A SUPERVALORIZACAO PRECISA E PASSARA SOBRE UMA CORRECAO DE VOLORES.... POR FAVOR PAREM DE TAMPAR O SOL COM A PENERA..

Neleus disse...

Vou repetir porque é preciso: "Por favor, pare de tampar o sol com a peneira!"

Jornal Mídia Geral disse...

Quando muito se fala em mercado imobiliário, acho que se engloba equivocadamente dois pontos distintos: imóveis novos e; usados... Não há que se generalizar comentários. Apartamento novo é novo e apartamento velho com 10,15,40 anos o que mais se precisa dizer... O fato é que aqui no Rio as imobiliárias fixam preços em imóveis acabados chegando a ser ridículos em um patamar inicial de R$ 150 mil reais e existem até lançamentos por menos do que isso e aí é que "reside" a "bolha" ou valor virtual que as imobiliárias criam vendendo sonhos para quem pretende vender e digo sonho, porque ninguém vende. Você vê imóveis a venda por mais de 2 anos... Parece que estão todos delirando. Ao meu ver não existe bolha quando se fala em imóveis novos, as "inventoras da bolha" são as corretoras que superavaliam o lixo pra não perder o otário, aí o proprietário que é "espertão" compra um lançamento e tenta vender o lixo pelo mesmo preço. Aí não consegue, mas o que ele não espera é perder o emprego, como pode acontecer e aí torna-se inadimplente, daí o buraco negro que vai se formar antes da copa e da olimpíada, que seria a terra prometida da economia brasileira... Quem não entrar para a mendicância até lá lembrará dessas palavras... Já ia me esquecendo, as primeiras vítimas da bolha, serão aqueles que a criaram, pois os corretores serão os primeiros a perder o emprego... Sorte a todos e tomara que eu esteja errado...

O Negociador disse...

Impressionante como as pessoas teimam em não aceitar a realidade. HÁ BOLHA SIM! Está acontecendo no Brasil, como está acontecendo na China (já num estágio mais avançado), como aconteceu nos EUA.

E eu posso citar um exemplo prático vivenciado por mim. Há cerca de 6 anos eu vi um lançamento de um apartamento numa região de classe média alta aqui em Curitiba, cujo m2 não passava de R$ 1.300. O mesmo apartamento hoje está (no mínimo) em R$ 5.000 o m2! ABSURDOS 284%!
Compare a valorização histórica dos imóveis antes deste período e você (se for minimamente sensata) vai repensar a bobagem que falou.

Aproveitando para falar de outro ponto: o preço na região metropolitana de Curitiba chega a ser até 50% inferior ao praticado na capital para um imovel do mesmo padrão.

Portanto, a "visão esquerdista" que o povo tanto massacra aqui fala com propriedade (com o perdão do trocadilho). Tenho amigos que tiveram que comprar imóveis nas cidades vizinhas a Curitiba PELO SIMPLES FATO do preço na capital ter ultrapassado o limite do absurdo (alguns bairros com R$ 8.000 o m2!).

Ainda assim você acredita que não há bolha? COMPRE UM IMÓVEL PARA "GANHAR DINHEIRO" e deixe os "OTARIOS" que estão fantasiando esperando os preços cairem em um "passe de mágica". Te garanto que você vai implorar para haver algum otário desses para comprar teu investimento especulativo a preço de banana quando a bolha estourar.

Kássia Tavares disse...

Compare a valorização histórica dos imóveis antes deste período e você (se for minimamente sensata) vai repensar a bobagem que falou.

Quem fala bobagem é você. Faz o seguinte: volte para o Bolha Imobiliária e fique repetindo o dia inteiro "PLOC, PLOC, PLOC". Ao que parece, lá é o seu lugar.

Aqui, antes de falar uma bobagem dessa, você deveria conhecer que os juros de financiamento imolbiliário caíram de 18% para 8% a.a desde 2007, que o PIB brasileiro cresceu 40% de 2004 a 2011, que a taxa de desemprego caiu de 12% para menos de 6%, que o Real se valorizou em relação às principais moedas, que os salários nominais e reais estão crescendo, assim como a renda. O resultado disso não é outro senão valorização de ativos com oferta transitoriamente inelástica, como os imóveis. Enfim: volte para o Bolha Imobiliária já. Aqui, definitivamente, não é o seu lugar.

Patriota disse...

Vc como economista deve ser motorista de onibus ... Será que tu não vê que o salario do brasileiro não acompanhou a alta dos preços dos imoveis ? Na verdade vc tem razão em afirmar que não existe bolha alguma, é só um efeito colateral do maldito governo LULA e sua corja de safados !

Postar um comentário

Observação: comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões) ou conteúdo ofensivo, racista, homofóbico ou de teor neonazista ou fascista (e outras aberrações do tipo) serão apagados sem prévio aviso.

alert('Olá prazer em conhecê-lo!'); alert('Olá ' + comment.authorUrl + ', prazer em conhecê-lo!');