sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Reportagem da Globo sobre o preço dos imóveis

Reportagem da Rede Globo analisa a situação se o mercado imobiliário como investimento. Como sabemos, os imóveis no Brasil subiram, em agosto 1%, configurando-se como uma das melhores aplicações do momento - algo que é previsível em ambientes econômicos saudáveis como é a economia brasileira atualmente.


A reportagem compara a valorização dos imóveis (1%) com as melhores aplicações financeiras de agosto. Renda Fixa - 0,6%. Só em São Paulo, a alta acumulada dos imóveis em 2012 chega a mais de 10%, indicador similar ao verificado na cidade do Rio de Janeiro.


A BOVESPA apresentou rendimento de 0,5% em todo 2012. A poupança rendeu 4,3%. o dólar subiu 8%.  o que mostra que os imóveis são, em 2012, a melhor aplicação financeira. A reportagem também aponta que a FIPE, responsável pelo índice, considera que a redução dos lançamentos está afetando a oferta, e oferta menor leva à maior valorização.


Outro ponto destacado é que em Belo Horizonte ocorreu uma queda de preços em agosto, mas, segundo a FIPE, esse número é sazonal e não corresponde a uma tendência do mercado, o que mostra que os imoveis continuam a ser ótimos investimentos, sobretudo em um momento caracterizado por baixos retornos da renda fixa e instabilidade na BOVESPA.

22 comentários:

Sysrei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kássia Tavares disse...

Deixa ver se eu entendi: você quer rebater os FATOS da reportagem com fofoca? E ainda chama isso de "interessante"? kkkkkkkk.. Esses são os bolhotas...rs..rs..rs.

Nana disse...

Não é fofoca. Em minha faculdade tem um professor que sabe bem essa história.
Ele é fonte quente.

Sysrei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kássia Tavares disse...

Cara, que ridículo. Vocês entram em uma espiral de pirações e a coisa vai piorando cada vez que coloca uma nova piração para justificar a anterior. Então você acha que a Globo tá falando que os imóveis estão subindo porque está com medinho do governo não renovar a concessão?

Então aprenda uma coisa, filho: a não renovação da concessão da Globo não depende do Governo. Depende do Congresso Nacional.

Entre no Constituição Federal:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm

Procure o artigo 223, depois o §2º, e você vai ler o seguinte:

"§ 2º - A não renovação da concessão ou permissão dependerá de aprovação de, no mínimo, dois quintos do Congresso Nacional, em votação nominal."

Realmente isso é muito sério: ignorância ampla, completa e irrestrita e o resultado é essa quantidade absurda de bobagens que vocês, bolhotas, escrevem por post quadrado.

Kássia Tavares disse...

E outra coisa. Além da bobagem sobre a não renovação da concessão da Globo, o seu post tem uma outra bobagem monumental implícita: a crença de que o que se fala na Globo tem algum poder sobre o estado da economia brasileira. É por isso que vocês torcem tanto por uma notícia saindo na Globo de quem tem bolha, né?
Aprenda uma coisa: Bolhas em preços de ativos é um fenômeno econômico, e não de comunicação social. Se não estão presentes os fundamentos de uma bolha de ativos, pode até o papa falar que os preços vão cair que eles não vão cair.
Por outro lado, se existe de fato formações de preços sem fundamentação econômica, mesmo que ninguém fale nada, os preços vão voltar ao seu patamar de equilíbrio.
É por esse tipo de ignorância que vocês ficam tão bravinhos com o que se escreve aqui. Na boa, vocês são R-I-D-Í-C-U-L-0-S.

Sysrei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sysrei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sysrei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sysrei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kássia Tavares disse...

E você não sabe como funciona uma concessão, pois só vai para o congresso se o senado vetar por 3 de 5 votos.
Quem encaminha o pedido ao senado é o ministério da comunicações com a assinatura do presidente da república.


Quem não sabe como funciona concessão de rádio e tv é você. Enquanto a Presidência da República não envia o ato para análise do Congresso Nacional, a concessão anterior continua vigente. Vá se informar melhor antes de querer discutir comigo.

De fofoca já vi que vc sabe bastante, já sobre economia, mercado imobiliários e etc, é uma negação. Volte para o Bolha Imobiliária já que lá suas limitadas capacidades intelectuais sentir-se-ão acompanhadas de muitos iguais....

Sysrei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kássia Tavares disse...

Meu querido, guarde suas cópias para você mesmo já que não estão servindo para nada, visto que você não entende nada de concessão de rádio e tv.

Eu já te ensinei qual é o comando constitucional, ok? Agora vou te mostrar o legal. Acesse o Código Brasileiro de Telecomunicações (Lei 4.117) no link abaixo:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4117.htm

Depois vá no artigo 33, e leia os §§4º e 5º, e você saberá que:

"Os prazos de concessão e autorização serão de 10 (dez) anos para o serviço de radiodifusão sonora e de 15 (quinze) anos para o de televisão, podendo ser renovados por períodos sucessivos e iguais (...)"

§ 4º Havendo a concessionária requerido, em tempo hábil, a prorrogação da respectiva concessão ter-se-á a mesma como deferida se o órgão competente não decidir dentro de 120 (cento e vinte) dias".

Por favor: pare de escrever bobagens por aqui e volte para onde nunca deveria ter saído que é o bolha imobiliária.

Sysrei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kássia Tavares disse...

Só desenhando mais um pouco para não deixar dúvidas.

A Globo tem uma concessão vigente de 15 anos. Antes de terminar o prazo, ela tem que pedir a prorrogação da concessão por mais 15 anos. Então ela entra com o pedido.

Caso o Ministério das Comunicações não se pronuncie nos 120 dias subsequentes ao pedido, a concessão fica prorrogada automaticamente..

Caso o MC se pronuncie pelo deferimento no prazo de 120 dias, o ato vai ao Congresso.

Caso do MC se pronuncie pelo indeferimento, o ato vai ao Congresso Nacional e só entra em vigor com aprovação de 2/5 dos deputados e depois 2/5 dos senadores, em ambos os casos em votação nominal.

Sabe quando isso vai acontecer? Nunca.

E pensar que eu tive que te dar essa aula pois você não tem nada o que questionar na reportagem da Globo então inventou que ela era tendenciosa pois estaria com medinho do governo. Enfim: vc só fala bobagem e veio com uma bobagem monstruosa para tentar justificar a bobagem anterior.

Em tempo: o que vc fez aqui, é a única coisa que se faz no BI: disseminação de baboseiras sem fundamentação nenhuma. Volte para lá.

Kássia Tavares disse...

Você é ruim mesmo.

(SE) O órgão competente não decidir em 120 dias, tá prorrogada automaticamente.
(SE) o órgão competente decidir pelo deferimento, ok - vai para o Congresso para a homologação.
(SE) o órgão competente decidir pelo indeferimento, o indeferimento só vale depois de aprovado por 2/5 de deputados e depois 2/5 de senadores em votação nominal.

Mais desenhado que isso, impossível.

Sysrei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kássia Tavares disse...

É exatamente o que eu estou dizendo. Você que não entende. Tinha que ser corretora mesmo.

Não é isso não o que você está dizendo. Você disse que "A renovação da concessão da rede Globo entrou em xeque. Isso foi um fato. Ou dança conforme como o governo quer, ou não dança mais."

Com isso você estava querendo dizer que reportagem da Globo era tendenciosa pró-governo pois ela teria que "dançar como o governo quer".

Aí eu lhe falei que a concessão da Globo não corre perigo, pois o Governo não tem poder para cancelá-la. E provei mostrando o artigo 223 da CF, que exige que tal ato seja aprovado pelo Congresso Nacional.

Aí vc soltou mais uma pérola dizendo que "Quem encaminha o pedido ao senado é o ministério da comunicações com a assinatura do presidente da república.", e completou com a perolíssima de que os prazos são de 10 (rádio) e 15 (TV), dizendo que se o governo não enviar, então perde.

Aí eu te mostrei que o CBT artigo 33 §§4º e 6º mostram que a concessão é renovada automaticamente. E, caso o governo opte por não renová-la, o fim da concessão só ocorrerá após votação de 2/5 dos deputados e 2/5 dos senadores, em votação nominal.

Resumo: você falou bobagem que a concessão da Globo estava em xeque e que se ela não dissesse o que o governo queria iria perder. Eu te mostrei que o Governo não tem o poder de tirar a concessão da Globo, portanto não é por medo do governo que ela vai deixar de falar o que bem entende.

Repito: vc não entende NADA de concessão de rádio e tv e muito menos de economia ou bolha imobiliária.

Kássia Tavares disse...

Quem encaminha o pedido ao senado é o ministério da comunicações com a assinatura do presidente da república.

Só nessa frase você conseguir escrever 2 bobagens MONUMENTAIS.

Bobagem 1: não é o Ministério das Comunicações que envia ao Congresso Nacional, mas a Casa Civil;

Bobagem 2: o pedido não é enviado ao Senado, mas à Câmara dos Deputados. Aprenda que todo e qualquer matéria legislativa oriunda do Poder Executivo entra no Congresso Nacional OBRIGATORIAMENTE pela Câmara. Nunca pelo Senado.

Kássia Tavares disse...

o bolhota do Marc apanhou tanto que ficou com vergonha e apagou os comentários..kkkkkkkkkkkkk

Unknown disse...

Bom dia Kássia.
É minha primeira leitura e postagem aqui em seu BLOG.
Súbito, percebo 03 coisas que saltam à tela: 1º - seu fervor em defender uma emissora de tv; 2º - seu fervor, de novo, em defender o mercado imobiliário como um ainda atual e melhor investimento; e 3º - uma "certa" ausência de sensibilidade e respeito por opiniões alheias e diversas.
Penso, assim como creio que faças também, que a ponderação e o comedimento devam nortear qualquer discussão, sejam encontradas ou contrárias.
Assim sendo, relativamente às informações veiculadas na Rede Globo, a despeito de serem falsas ou verdadeiras, de serem tendenciosas ou não, trata-se de debat nada profícuo, haja vista o alcance deste instrumento da web, com todoo respeito.
Já relativamente ao informe veiculado - e em tela - segundo o que constato e que podes também constatar per si é: a) o índice FIPE/ZAP, que é o índice oficioso que se tem as mídias utilizado, indiscriminadamente, nada mais é que uma média dos valores de imóveis ofertado, não representando, em hipótese alguma, os reais valores praticados em possíveis e questionáveis vendas, pois, que o mesmo não se presta (de fato o índice não faz isso) a aferir, em sua autenticidade e ocorrência, do valor praticado em possíveis transações reais.
Que o índice possa realmente representar a média dos valores ofertados não se discute: discute-se ele (o índice) incluir em sua média anunciada de valorização os MESMOS IMÓVEIS que não foram vendidos, em meses e meses de exposição, e que ainda assim tiveram os preços majorados. Esses imóveis que não foram vendidos e que ainda assim "valorizaram" tiveram o condão de macular pela segunda vez a credibilidade do índice, pois que a primeira foi basear-se em valor anunciado e não em valor negociado em transação.
Só para se ter uma idéia do tamanho do descaso do governo, das empresas envolvidas no setor imobiliário e das mídias, especialmente a Rede Globo, pois, que possui quase que um monopólio televisivo, em 15 de setembro de 2011, através do Decreto Federal nº 7.565/11, a Presidenta Dilma, em resposta ao "pito" (chamada de atenção) feita pelo FMI, já alegando àquela época uma possibilidade de existência de BOLHA em nosso páis, quando o órgão (FMI) reclamou a NÃO EXISTÊNCIA de um índice oficial do Brasil que acompanhasse a evolução de preços imobiliários.
A despeito desse Decreto ter sido editado há quase um ano, nada de sua operacionalização.
Logo, qualquer informação veiculada dando ênfase ao referido índice, como se verdadeiro e correto fosse, não poderia nem deveria deixar de ser visto como uma forma tendenciosa de levar pessoas ao mercado.
Ademais, precificar um ativo qualquer, seja uma banana, um automóvel ou um apartamento, ao preço que se deseja, independente de seu real valor, não implica em dizer que aquilo realmente aconteça. O valor de um ativo é o valor que se paga por ele e não o valor que se pede.
Nesse sentido, como em quase todas as cidades brasileiras, especialmente os grandes e médios centros urbanos, a maioria das casas, excetuando-se os imóveis do PMCMV, estão com valores que iniciam-se acima dos 200 ou 300 mil reais. Isso é irreal, pois que não existem muitas pessoas sequer que possam financiar algo perto disso. Eu mesmo, que tenho uma renda razoável (aproximados 8k mensais) só posso financiar até R$180, valor esse que corresponderia a uma casinha de 40 metros quadrados, ao passo que posso viver de aluguel, em imóveis de mais de 100 m2 com valor muito inferior ao de um financiamento da "casinha" acima.
Por hoje é só, esperando poder receber suas considerações, baseando-se no preâmbulo desse texto.
Abraços.
Sérgio

Palíndromo disse...

Já que a tia Kássia gosta de citar o estudo do BIS para dizer que o crescimento do PIB causa valorização dos imóveis então eu gostaria de citar o economista Gregory Mankiw, no capítulo 2 do livro Macroeconomia (7ª edição, 2010) ele explica como é feito o cáuculo do PIB que é composto, dentre outras coisas, pelo "valor imputado": "Muitas pessoas, entretanto, moram em suas próprias residências. Embora não paguem um aluguel ao proprietário do imóvel, estão usufruido de serviços de moradia [...] Para levar em conta os serviços de moradia usufruídos pelos proprietários dos imóveis, o PIB inclui o 'aluguel' que esses proprietários 'pagam' a si mesmos [...] O Departamento de Comércio dos EUA - no Brasil o cálculo do PIB é feito pelo IBGE - estima qual seria o valor de mercado para o aluguel de uma determinada residência caso ela fosse alugada, e inclui esse alugel imputado como parte do PIB."

Vemos então que um dos componentes do PIB é o valor de aluguel de TODOS OS IMÓVEIS DO PAÍS, sendo então um componente bastante representativo. Assim, num cenário de valorização dos imóveis o valor de aluguel sofre uma pressão inflácionária que, por sua vez, puxa o PIB para cima, além disso o boom da construção civil aumenta o número de imóveis contabilizados que, com valor de aluguel em ascenção, impulsionam ainda mais o crescimento do PIB. E mesmo assim o Brasil ficou com PIBinho em 2012, o que é um indicativo de como andam os demais setores da nossa economia (a situação piora se considerarmos que o PIB divulgado é o nominal e não o real, que certamente é menor devido ao Deflator do PIB)...

Já que, por definição, a valorização dos imóveis causa crescimento do PIB, gostaria de saber como a tia Kássia conseguiu concluir o contrário... Afinal o estudo do BIS trata apenas de "correlação" que, por definição, é uma relação mútua entre dois termos (semelhança, analogia) não necessariamente de causa-consequência... Gostaria de saber também o que o BIS falou pra tia Kássia sobre o que acontece após esses períodos de grande valorização, já que bolhas imobiliárias estão estourando em diversos países do mundo...

Postar um comentário

Observação: comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões) ou conteúdo ofensivo, racista, homofóbico ou de teor neonazista ou fascista (e outras aberrações do tipo) serão apagados sem prévio aviso.

alert('Olá prazer em conhecê-lo!'); alert('Olá ' + comment.authorUrl + ', prazer em conhecê-lo!');