quinta-feira, 25 de agosto de 2011

A importância da hidrovia do Tocantins para o Brasil

A senadora Kátia Abreu, presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil e da Federação da Agricultura do Estado, mostrou-se na manhã desta quarta otimista com a inclusão da hidrovia do Tocantins como obra prioritária do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal. Segundo Kátia, a presidente Dilma Roussef sensibilizou-se com os problemas que tem enfrentado a obra e, especialmente, sobre a sua importância na logística de transporte da produção, conforme apresentado por mapas e estatísticas pela presidente da CNA , na noite de ontem, no Palácio do Planalto.

Hidrovia do Tocantins

Durante a audiência no Palácio do Planalto, a senadora Kátia Abreu entregou à presidente Dilma Roussef uma bandeija giratória feita com capim dourado, um terço benzido pelo Papa Bento 16 e que a Senadora trouxe de sua visita ao Papa em Roma no mês passado, um livro Bom Dia Espírito Santo e uma oração com o Salmo 91 e Efésios, capítulo XVI, Armadura de Deus.


A senadora Kátia ressalta que a prioridade dada à hidrovia trará ganhos imensos ao Tocantins e ao Brasil. Ela demonstrou a Dilma Roussef as vantagens do modal de transporte hidroviário para toda a região Norte, beneficiando ainda Piauí, o Sul do Maranhão, Bahia e os Estados da região Centro-Oeste. E, segundo Kátia, o investimento necessário é da ordem de R$ 1,66 bilhão na hidrovia do rio Tocantins, valor que pode chegar a R$ 4,88 bilhões com as obras necessárias nos portos e em outras hidrovias da região. Ela compara com o Trem Bala que está orçado em cerca de R$ 60 bilhões e que ligará Campinas (SP) ao Rio de Janeiro (RJ). “A nossa hidrovia é muito mais barata e vai possibilitar desenvolvimento a uma região que necessita de vias de escoamento de produção mais em conta, além de diminuir o custo-Brasil, teremos produtos mais baratos para o consumidor”, disse Kátia.

TOCANTINS SERIA UM DOS MAIORES BENEFICIADOS - Com a hidrovia, passariam pelo Tocantins, não somente a produção agropecuária (que apenas na região Norte/Nordeste e Centro Oeste chega a 56 milhões de toneladas) mas também produtos industrializados na Zona Franca de Manaus (AM) que hoje percorrem todo o litoral brasileiro, por cabotagem (foram 85 mil e 812 conteineres embarcados em Manaus em 2010), de uma produção industrial que beira os 1,3 milhão de toneladas (contra 3,9 milhões de todo o país) até chegar aos Estados consumidores do Sul e portos para exportação. Segundo Kátia, cerca de 60% da produção da Zona Franca poderiam ser transportados pela hidrovia, passando pelo Tocantins ao invés de seguirem por cabotagem pelo extenso litoral brasileiro.

“E isto é oportunidade de negócios no Tocantins, de geração de impostos, de emprego e renda, não só para os produtores, mas principalmente para toda a população que passa a conviver com este círculo virtuoso econômico”, disse Kátia na manhã desta quarta.

Além disso, a Senadora explica que no país, a hidrovia mais adiantada é a do Tocantins, que necessita de recursos da ordem de R$ 1,6 bilhões para ser implantada. “Falta terminar a eclusa de Lajeado, falta fazer a de Estreito e implantar a derrocagem até Belém”, salienta a Senadora informando que de Manaus a Belém os produtos industrializados seriam transportados pelo rio Amazonas.

Outra vantagem apresentada por Kátia Abreu é o fato do transporte hidroviário ser o mais barato. Hoje, o custo do transporte de uma tonelada/1 mil km é da ordem de US$ 18 pelo modal hidroviário. Já por ferrovia, o custo aumenta para US$ 26 chegando a US$ 42 pelo transporte da mesma quantidade por rodovias.
“A hidrovia vai complementar os nossos modais de transporte, onde já temos uma ferrovia e as rodovias” disse Kátia Abreu citando, como exemplo, a circulação de recursos que isto trará na economia estadual. “Só a plataforma da Petrobrás em Palmas vai movimentar mais um bilhão de litros por ano e isso tudo pode ser transportado com a utilização da logística com hidrovias e ferrovias’.

"Estou otimista com a possibilidade real de a economia do nosso Estado ser sacudida com esse movimento, com essa logística que a presidente Dilma acenou querer implantar", finaliza Kátia Abreu, salientando que afinal as hidrelétricas não podem fazer uso pleno dos rios. "É um direito da população também utilizá-lo, especialmente como meio de transporte de suas riquezas", disse Kátia Abreu que fará exposição destes argumentos no Conselho do PAC a convite da presidente Dilma nos próximos dias.

2 comentários:

Kleber disse...

Sera' que a dilminha comeu a bandeja toda de aperitivo?


Um grande abraco, Katia

Kássia Tavares disse...

Rs...rs...rs...
Olha só, prefiro a dilminha comendo esse apertivo que o mentor dela...

Abraço.

Postar um comentário

Observação: comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões) ou conteúdo ofensivo, racista, homofóbico ou de teor neonazista ou fascista (e outras aberrações do tipo) serão apagados sem prévio aviso.

alert('Olá prazer em conhecê-lo!'); alert('Olá ' + comment.authorUrl + ', prazer em conhecê-lo!');