quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Boom da construção em Pernambuco provoca falta de concreto

Reportagem do G1 mostra que o mercado imobiliário de Recife sofre com falta de concreto, em função do excesso de demanda. Veja a reportagem aqui.


A situação de escassez é tão grande que, em Pernambuco, não há concreto de pronta entrega - apenas com prazo uma semana, 10, 15 dias ou mais. E tem gente que ainda acredita em Bolha Imobiliária...

58 comentários:

  1. Uma coisa é faltar concreto para suprir a demanda das obras.

    Coisa completamente diferente é existir compradores para apartamentos a preços bolhudos de construtoras.

    ResponderExcluir
  2. Sim, claro, e os construtores e incorporadores são todos esquizofrênicos, então: estão construindo cada vez mais para não vender para ninguém.

    Enfim, bolhotas vivem em um mundo da fantasia, onde a bolha estourou, os preços caem, vendas estão paradas, etc e tal.

    É por isso que vcs odeiam este blog: eu insisto em trazer os fatos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mundo em que os preços caem é real. Veja os anúncios colega corretora.

      Excluir
    2. Não somos nós que odiamos o seu blog, é você que odeia o bolhaimobiliaria.com, pois você vive difamando...

      Excluir
  3. Nossa ufa!!!!

    Graças a Deus! Agora sim tenho certeza de que não há nenhuma bolha imobiliária!!

    Posso comprar confiante, pois vai subir ainda mais!

    ResponderExcluir
  4. Olha os descontos aí Kássia:

    A OPORTUNIDADE DE COMPRAR É AGORA !!!
    Se você está procurando um imóvel para morar ou investir e quer ter a convicção de estar fazendo um bom negócio, as oportunidades ofertadas no www.SalaoWImoveis.com.br são a sua solução definitiva.

    OBJETIVO
    O Grupo WImóveis mobilizou os anunciantes para estes tangibilizarem os proprietários dos Imóveis para 12 dias de ofertas imperdíveis, onde todos os imóveis anunciados no site www.SalaoWImoveis.com.br estarão com preços imbatíveis, preços de fechamento de negócio (veja exemplo).

    PARTICIPAÇÃO
    O Salão de Oportunidades WImoveis é um evento VIP, portanto para participar é necessário o credenciamento. Portanto se você está realmente querendo comprar o seu imóvel, agora é o momento de fazer um ótimo negócio.

    ResponderExcluir
  5. Obrigado, Kassia, depois de ler essa magnânima notícia tenho certeza absoluta de que o Brasil não seguirá o caminho de EUA, China, Japão, Espanha, Portugal, Irlanda, Inglaterra, Holanda, Argentina (a caminho), dentre outros, e que AQUI SIM, o imóvel nunca cairá de preço. Agora eu entendo que o mundo inteiro é diferente daqui, pois aqui o imóvel nunca cairá de preço. Vou agora mesmo vender meus imóveis em Mônaco, Paris e Bruxelas para comprar apartamentos no subúrbio do Rio e Brasília. Obrigado pela sua informação útil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Teve bolha nos EUA e na Espanha. Na Inglaterra, Alemanha, Itália não teve queda de preços.

      Bolha acontece em meio a excesso de crédito. No Brasil ainda precisamos passar de 5% para uns 80% o crédito imobiliário para pensarmos em termos bolha.

      Excluir
    2. Em quanto estará o preço de um imóvel com 80% de crédito imobiliário/PIB?

      1 apartamento de 2 quartos em Madureira ("Ceilândia") estará custando 4 milhões? (1500% mais de crédito, impactando em 1500% mais de preço, já que todo o crédito é absorvido pelas construtoras, se torna um mero repasse de valores).

      Procede? "pode isso, arnaldo?"

      Excluir
    3. Cara, esta mulher só repete o que lê na web. Ela é formada em "Comunicação Empresarial" e não consegue fazer uma análise destas nunca! Não tem conhecimento básicos de matemática e estatística. Aprendeu porcentagem e pronto.

      Excluir
    4. Em quanto estará o preço de um imóvel com 80% de crédito imobiliário/PIB?

      1 apartamento de 2 quartos em Madureira ("Ceilândia") estará custando 4 milhões? (1500% mais de crédito, impactando em 1500% mais de preço, já que todo o crédito é absorvido pelas construtoras, se torna um mero repasse de valores).

      Procede? "pode isso, arnaldo?"


      Não procede, pois você está considerado que haveria apenas uma elevação da demanda, sem correspondência na oferta.

      Aí basta você entender um pouco como funciona um mercado. Os preços enviam informações aos agentes econômicos (ofertantes e demandantes), portanto, se ocorre uma elevação no preço decorrente de ampliação do crédito, os ofertantes irão ampliar a oferta daquele bem, pois vislumbram maior lucro no futuro (maiores vendas com preços maiores).

      Porém, com o aumento da oferta, reduz-se a pressão de alta nos preços.

      Esse processo ocorre continuamente em todos os mercados da economia, inclusive no imobiliário. Ocorre que o mercado imobiliário tem a característica de demorar para o efeito de preço resultar na ampliação da oferta, e é por esse motivo que o governo precisa ir calibrando a disponibilidade de crédito imobiliário, para não ocorrer uma disparada de preços.

      Excluir
    5. E o governo calibrou bem fazendo com que em 2008 fosse 1% do PIB e em 2012 fosse 6% do PIB?

      A minha variação real de renda no período foi de 8%. A variação da relação Crédito Imobiliário PIB no período foi de 500%.

      Os preços anunciados no Rio de Janeiro subiram 180% no período. Na tijuca, que é na rua ao lado onde moro (aqui é limítrofe de bairro) os preços anunciados subiram 210%. No maracanã, que é onde é meu CEP, os anúncios subiram 230%.

      Com uma variação de 8% real da renda eu to ricoooooooooo. To podendo comprar o Rio de Janeiro inteiro com minha capacidade de crédito, né? Hahahaha.

      Excluir
    6. Eu acho que teve uma mistura de três coisas. A primeira foi a alteração na legislação que permitiu a alienação fiduciária, que ampliou as garantias dos agentes financeiros nos contratos de financiamento (leia-se, permitiu a retomada dos imóveis com maior facilidade). Isso foi feito no primeiro mandato do Lula.

      A segunda foi a crise de 2008, que obrigou o governo brasileiro a tomar medidas internas para combater os efeitos que vinham dos EUA.

      E a terceira foi o populismo em 2009 e 2010 para eleger Dilma.

      O resultado disso foi a ampliação do crédito de forma acelerada, mas, pode-se observar que o ritmo de crescimento está menor, o que sugere que o governo está calibrando melhor a disponibildiade de crédito.

      Excluir
    7. Na Inglaterra não teve aumento realmente. Não citei Alemanha nem Itália, não sei porque você comentou esses países. Mesmo assim, resta, EUA, China, Japão, Espanha, Portugal, Irlanda, Holanda, Russia, Argentina (a caminho), dentre outros. A do Japão, EUA e Irlanda estão certamente dentre as piores.

      Excluir
    8. Calibrou melhor o crédito??? Sinceramente, por favor... Só está aumentando o crédito e não calibrando... O MCMV só vem subindo.... isso é calibrar preços??? Aqui perto de casa no Campo Limpo em São Paulo os Apês eram 170 mil do lado de um piscinão que cheira a merda. Quando subiram a faixa do MCMV o valor subiu para 190... por favor... Eu tenho uma renda familiar de 10 mil e não tenho como comprar um apartamento descente... tenho que morar do lado da favela...

      Excluir
  6. Kassia, qual seria a relação de consumo de concreto na cidade de Fortaleza e a frenética construção do estádio Castelão, para a Copa de 2014?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, ou vc é muito paciente, ou é muito zen, ou é muito sozinha, ou é muito sado-masoquista, ou tem muito tempo livre, sei lá. rsss

      Algumas perguntas nitidamente se percebe que as pessoas fazem só de pelação, mas mesmo assim você responde, mesmo que indelicadamente ou sarcasticamente. Por isso me divirto com seu blog!!!

      Não adianta, hahaha, não consigo ficar sem dar Ibope pra isso aqui. hahahaha

      Excluir
    2. É que você não viu o monte de comentários que eu recuso e não aprovo. kkkkkk

      Excluir
    3. Kassia, por acaso você poderia fazer uma analise detalhada sobre a relação entre obras de infraestrutura (PAC, Copa, RIO 2016, etc) e a existência de uma eventual bolha imobiliária?

      Excluir
  7. Kassia,

    Aparentemente tem de tudo neste mercado imobiliario, inclusive muita lavagem de dinheiro!

    Só que ainda assim não é um moto perpetuo, achar que algo vai subir 30% pro resto da vida, ta igual o povo com açoes em 1929!

    Lembra do caso Barings (filme A fraude com Ewan Mcgregor)!? Alguns destes caras vao perder dinheiro porque foram com muita sede ao pote. Outros vao provocar fraudes pra se safar (ja estao maquiando balanços), na esperança da maré virar. Voce pode nao gostar, mas é justamente o que o governo petr@lha anda fazendo.

    Como diria o Mate: "Corre, senao a bolha vai pegá ocê!" :D

    ResponderExcluir
  8. Kássia, encontrei o seu blog a pouco tempo, estou me formando no final do ano e quero sair da casa dos meus pais. Andei procurando apartamentos em SP e em bairros não muito periféricos só acho apartamentos de 1 qto por ao menos R$ 200.000,00. Faço estágio e consegui juntar um dinheiro mas pelo que vejo de salários iniciais não consigo pegar empréstimos para pagar apartamentos nesse valor. Qual é a solução? consórcios? quero muito comprar meu apartamento mas realmente os bancos parecem que eu não devo :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, primeiro não é "encontrei sei blog a pouco tempo", mas "encontrei seu blog pouco tempo" - sendo o "há", nesse caso, substiuindo o "faz pouco tempo".

      Minha sugestão para quem não consegue comprar o imóvel que quer no bairro que quer é: ou compra um imóvel menor no bairro que quer, ou compra o imóvel maior em um bairro mais distante. E, depois, quando pagar o primeiro, faz um upgrade.

      As pessoas chegam ao mercado e querem "sentar na janelinha" logo de cara. Não dá. Imóvel é como carro: compra um mais simples, depois vai melhorando.

      Excluir
    2. O problema Dona Kássia, é que mesmo o ruizinho já é muito caro. Qualquer apartamento minúsculo no Setor Noroeste, digo 30m2, é mais de R$ 400.000, com parcelas de financiamento imobiliário acima de R$ 3.000.

      E isto já é um absurdo. Como vou morar com esposa e 1 filho em um imóvel deste tipo?

      Muito mais vantajoso continuar no meu aluguel. Apartamento de 2 quartos, 80m2, elevador, garagem e varanda, em bairro consolidado (Asa Norte).

      E não me venha dizer em Águas Claras, pois ali não é um bairro agradável. Sem contar a 1h de trânsito para entrar e sair do bairro.

      Aquilo ali só é bom para dono de construtora, que ficou rico construindo milhares de pombalzinhos.

      Excluir
    3. Complementando o que o anônimo falou acima, posso dar o meu exemplo. Tenho renda mensal líquida de 11.000 dinheiros, ou seja, estou entre os 4% mais "ricos" do país e moro de aluguel na zona sul do rio de janeiro (trabalho no centro) desde 2011. Se eu quiser comprar um apartamento tão bom quanto o que moro hoje, estimando uma parcela de valor semelhante ao que pago hoje de aluguel, vou ter que morar na zona norte ao lado de alguma favela beeeeeeeeeeeeeeeeeeem depois da tijuca ou na zona oeste depois do recreio (ou seja, vou viver pra me locomover e ainda vou morar num lugar bem ruim). Se eu quiser comprar na tijuca (bairro melhorzinho da zona norte) vou ter que pagar o dobro em um apartamento beeeeem menor. Se eu quiser continuar morando na zona sul, vou ter que comprar um barraco numa favela.

      Então, se eu que estou nos 4%, não consigo comprar um imóvel razoável em um local razoável, só posso supor que há algo errado com o mercado. Ainda mais considerando que alguns amigos meus, que chegaram aqui no rio antes de 2008, ganhando menos que eu conseguiram comprar imóveis na zona sul sem dificuldade.

      Mas se a tia kássia puder me dizer como alguém como eu, que está nos 4%, poderia comprar um apartamento razoável em um local razoável, deixarei de acreditar na bolha. -_-

      Excluir
    4. Querido, isso aconteceu com todo mundo e em todos os lugares. Para você ter uma idéia, tem uma amiga minha que ganha BRUTO menos que isso que você disse que ganha líquido, e mora em um imóvel próprio QUITADO na Asa Norte, em Brasília, avaliado em R$ 1.5 milhão de reais.

      Só que ela mesma que comprou, há 10 anos atrás. Hoje, ela não teria condições nem de pagar o alguel de um imóvel desse - que está acima de R$ 4.500 reais.

      Então, quem chegou hoje, e ganha o que ela ganha, é obrigado a ir para áreas mais periféricas. É assim que funciona. O país, nesses 10 anos (não vou discutir as razões) observou uma ampliação enorme da classe média. Todo esse pessoal está competindo com a antiga classe média pelos mesmos imóveis de antes nas áreas nobres. O resultado é o preço do jeito que está.

      Excluir
    5. A solução é morar de aluguel. Nós brasileiros vivemos do mito da "casa própria", como se isto fosse sinal de alguma segurança. Casa própria é bom sim, mas casa própria quitada.

      Do que adianta entrar em financiamentos caros, longos, e com insegurança. Na prática, você não é o dono do imóvel:

      O banco tem direito de reaver o imóvel, já que ele (banco) é o proprietário e o mutuário (o comprador) tem somente o direito do uso. Se não pagou a prestação, ele (o banco) tem o direito de rescindir o contrato, sem a necessidade de uma ação judicial, como já é feito nos financiamentos de veículos.

      Muita atenção quanto a isto. Engraçado que bancos, construtoras e corretores não avisam sobre este "pequeno" detalhe.

      Excluir
    6. então, quer dizer que tem tanta gente assim ganhando 11.000 liquido e concorrendo comigo pelos mesmo imoveis? nossa e eu pensei q menos de 4% da população tinha essa renda! (calculadora do estadão -> http://economia.estadao.com.br/especiais/voce-pode-ser-mais-rico-do-que-imaginava,161035.htm) Imagino como deve estar a concorrência pra comprar imóveis nas favelas então, ainda mais com gente que ganha 11.000 tendo que comprar lá também...

      Excluir
    7. fui eu que fiz a primeira pergunta.
      é engraçado, realmente morar em parelheiros aqui em SP não é o que eu pretendo. Com um salário de R$ 3.000 eu pensava em morar no butantan ou algum bairro classe média baixa. Mas não consigo comprar um imóvel de 1 dormitório.

      as opções que a Kássia dá são: compre um imóvel menor (talvez comprar um 0 dormitórios :) ) ou compre mais longe (ou seja, vá morar em bairro de classe baixa/miserável).

      o que vai acontecer é: o mercado vai travar! se menos de 5% da população consegue comprar em área mais centrais de SP que, com certeza, tem mais de 20% da populaçao, uma hora essa farra acaba.

      Kássia, corrige aí o portugues que as idéias vc não tá conseguindo ter o mínimo de coerência....

      Excluir
    8. Kássia,

      Veja o que você fala... Vc comenta que estamos competindo com a antiga classe média? Meus país tem 9 imóveis. Todos comprados antes de 2000. Hoje você acha que eles tem condições de comprar alguma coisa? É eles não tem... Não tem mesmo... Pq??? A renda não cresceu como cresceu o preço dos imóveis... Suas especulações não tem fundamento... Leio suas matérias... Mas até agora nada, absolutamente nada me convenceu... Te dou mais uma chance... Manda ver...

      Excluir
  9. Palíndromo, eu trabalho com a PNAD, e posso lhe garantir que sua renda é de 1% da população e não de 4% da população.

    Porque R$11 k líquidos são em torno de R$15.700 brutos. Sinta-se ainda mais rico do que já és.

    Senhorita Kássia, vc conhece o mercado do Rio de Janeiro? Principalmente a relação qualidade dos imóveis x custo de aquisição?

    Vc pagaria 20 reais o kilo de maçã podre só porque é vendida no Hortifruti?

    O que mais me surpreende é que o Rio de Janeiro é um estado de produção rica, mas de renda média (e concentrada), não é como São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul que são estados de Produção rica e Renda Alta (ou bem distribuída).

    Não se justificaria em Santa Cruz (Luiziânia) um imóvel estar custando R$275 mil. Até na Pavuna (Samambaia) os imóveis, que lá são casas, estão custando R$380 mil.

    Aqui no Rio jogaram pesado sim, erraram a mão em muitos lugares. Botafogo que é bairro de classe média virou bairro de milionários. E tijuca que é o melhor entre os piores virou Botafogo. Os três últimos lançamentos os imóveis de >100m² saíram por mais de 900 mil.

    Precisa de um ajuste sim, e não é de acomodação ou correção, precisa de algumas quedas de alguma magnitude, ou uma boa elevação da renda sem aumento dos preços imobiliários.

    Veja o caso da Espanha, o preço dos imóveis APENAS triplicou, e houve uma injeção de 80% de crédito imobiliário/PIB. Lá, APENAS triplicou. Aqui, quintuplicou nos últimos 12 anos, só com 5% de crédito imobiliário/PIB.

    Só fico preocupado com a possibilidade do país entrar novamente numa década de 80. Não será nada agradável pra todo mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. então eu estou no 1%? nossa, então a situação ta realmente calamitosa, se nós que somos "ricos" tamo f***** imagine o resto da população afogada em dívidas...

      enfim a tia kássia não conseguiu vencer o desafio de indicar uma solução para o meu problema, ela apenas constatou o fato óbvio de que tudo ficou absurdamente caro e eu só posso comprar imóvel na favela... logo, só me resta continuar no aluguel esperando o estouro da bolha =/

      Excluir
    2. paga a corretagem dela que ela já fica feliz.

      Excluir
    3. Se ela pudesse realmente resolver meu problema, bem que eu ficaria muito feliz em pagar a corretagem...

      Excluir
    4. A Kássia não pode cobrar a corretagem. É uma cobrança ilegal. O entendimento é simples, quem contrata o corretor, paga pelos seus serviços.

      Na compra de imóvel na planta, quem contratou o corretor foi a construtora, logo quem deve pagar é a construtora. Mas muitas construtoras espertinhas jogam esta bomba na mão do comprador.

      E tanto sabem que isto é ilegal que não avisam antes, o comprador só fica sabendo na hora de assinar o contrato.

      Ainda bem que está todo mundo entrando na justiça. Qualquer dúvida, procure no google por: Imobiliária não pode cobrar corretagem do comprador.

      Excluir
  10. Estou em situação parecida com a sua, palíndromo. Renda líquida de uns R$ 12 mil, morando na zona sul do Rio. Aluguei um apartamento de 84 m2 em dez/11 por R$ 2300 (o proprietário ficou com ele fechado por meses, pedindo R$ 3000). Na época ele disse que não venderia por menos de R$ 700 mil. Bem, se com esta nossa faixa de renda em 2012 não é possível comprar na zona sul, e no futuro, como já mostrou a Kássia, a tendência é aumentar, fico imaginando como vai estar em 2016. Só alto executivo de uma empresa, transferido para o Rio, é que vai poder comprar por aqui. Ele (renda: R$ 50 mil)vai morar num destes apts que a gente vê por Copa, sem nada demais (mais que vai estar valorizadíssimo), tendo como vizinho o diretor regional da empresa (renda: R$ 30 mil), que chegou em 2014, engenheiro pleno (renda: 12 mil), que chegou 2011. Todos eles endividados porque chegaram aqui "tarde demais" e não quiseram morar em uma área periférica. No andar de baixo estará D. Raimunda, moradora desde 1982, aposentada do INSS, com renda de 4 S.M.. Vai ser legal todo mundo morando no mesmo prédio. O colega do engenheiro, coitado, que só chegou no Rio no mesmo ano que o alto executivo, vai morar no morro do Adeus, financiando o barraco por 30 anos.

    Fazer o quê? É assim que funciona.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, essa foi genial. O melhor comentário que eu vi em muito tempo. Também estou na mesma situação que vocês, sou médico e tenho renda líquida de pelo menos 12 mil fora plantões extra, mesmo assim não tenho renda para comprar um imóvel decente em bairro ruim de São Paulo, quanto mais nas áreas nobres. Atualmente moro em um apartamento em pinheiros que a 5 anos atrás custava 80.000 reais e atualmente o proprietário me ofereceu por módicos 320.000 reais, veja só, um apartamento de 50m, com 30 anos de construção, precisando de reforma por 320.000 reais. Inclusive, 3 ou 4 vizinhas minha são pensionistas do INSS e devem ter uma renda de 4 S.M. A situação não esta ruim só no Rio de Janeiro não.

      Excluir
  11. Engraçada solução que é oferecida por uma paucifrenica dita especialista imobiliaria, ela prega como se alguem fosse obrigado a comprar imoveis. Assim como qualquer bem de consumo vc so compra se quiser, necessidade, custo beneficio, e a partir do momento em que o custo e inalcancavel por 1% da população mais rica, chegou a hora de reconhecer que a medida da ricaza
    (vulgo real) foi chacinado pela facilidade de credito. se os precos não forem regulados para baixo, entao, criaremos novos preços quem sabe um real novo, ou talvez libras brazileñas.


    "Não há maior sinal de loucura do que fazer uma coisa repetidamente e esperar a cada vez um resultado diferente"

    Com essa frase espero que cada um abra um livro de historia pra entender que isso ja aconteceu em um momento da historia e vai continuar acontecendo, so espero que a maioria aprenda que os resultados nao serão diferentes dos anteriores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda mais comprar na alta dos preços. Em Brasília há um bairro emblemático: Setor Noroeste. Um bairro totalmente em construção. Não há comércios, bares, hospitais, escolas, nada. Um cerradão em construção.Preço do metro quadrado: R$ 10 mil. Vende? Eu não conheço ninguém que tenha comprado, e olha que tenho muitos amigos que ganham mais de R$ 15 mil;mês e todos em idade de comprar imóvel.

      Os empresários criaram uma expectativa muito alta, já que a localização é muito boa, mas esqueceram de um detalhe: as pessoas querem um imóvel, mas não estão dispostas a pagar tão caro para morar lá. E quem comprou vai sofrer por vários anos, até que o bairro finalmente se torne habitável.

      Excluir
  12. Eu concordo que o preço do imóvel está absurdo e deve haver correções, mas a situação da zona sul do Rio de Janeiro não é igual ao resto do Brasil. Nos outros lugares os preços também estão caros, mas não se comparam a esta região. Pertencer a parcela 1% mais rica da população do Brasil pouco adianta para comprar um imóvel numa região que representa menos que 0,1% do país em população e tem o metro quadrado mais caro.

    ResponderExcluir
  13. Se a bolha imobiliária não existe, porque esse é o principal link desse blog??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela sabe que existe. Ela só tira uma da nossa cara para promover o Blog.

      Excluir
    2. E este blog vai sair no Jornal Nacional, no Jornal da Band, no Fantástico?

      A corretora que mudou a visão de muitos compradores, pessoas que moravam de aluguel, e graças ao seu poder de convencimento, compraram apartamentos caríssimos e agora estão amarrados em financiamentos por 40 anos. Até que a morte os separe.

      Excluir
  14. Kássia, bota o link para a notícia do lucro da Gafisa no trimestre! Quase R$ 5 milhões! Dá para comprar uns 3 apartamentos iguais da sua amiga! Uau!

    ResponderExcluir
  15. Tia Kássia, vários aqui falam que você é corretora. Isso é verdade? Você trabalha / investe com imóveis?

    ResponderExcluir
  16. Ela é corretora sim. Leia todos os posts dela e tire suas conclusões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, mas uma corretora arrogante. Conheço vários corretores antigos no mercado que já falam abertamente na existência da bolha.

      E não adianta bater o pé no chão que não existe bolha, não importa quais teorias usadas, ou artigos de jornal. A verdade é uma só: imóvel está muito caro, está na alta, e não é nem nunca foi interessante comprar nada na alta. Não é negócio. não adianta insistir.

      E mais, negócio quando é bom, não precisa de propaganda, ele se vende automaticamente. E isto está gritante. Nunca se viu tanta propaganda para comprar imóveis, tantos corretores assediando prováveis compradores, seja nas ruas, panfletos, telefonemas, e-mails, stands de imobiliárias em festas e locais onde jamais se imaginou a presença de um vendedor de imóveis.

      Excluir
  17. Kássia, qual seu parentesco com o Fullgencio Skycrapercity?

    Ele é seu sócio aí na imobiliária?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é tão arrogante quanto você. Deve ser da mesma família.

      Excluir
    2. O que é P.A.? Explique por favor.

      Excluir
  18. Para mim, o valor correto de imóveis seria de R$ 800,00/m2 em áreas suburbanas de RJ/SP, R$ 1000,00 a R$ 1500,00 em áreas de classe média de SP/RJ, R$ 2000,00 a R$ 3000,00 / m2 em áreas de classe alta e R$ 3000,00 a R$ 5000,00 em áreas "nobríssimas" dessas cidades. Em outras cidades, os valores poderiam até ser menor. Pra mim é isso e pronto, o resto é especulação sobre o barro (tijolo), a areia (cimento) e a mão de obra não qualificada (sem estudo universitário).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Basta fazermos as contas do valor do terreno + custo da construção no local. O resto é especulação.

      Excluir
  19. Tem gente querendo pegar este pessoal que diz ter bolha e encher de porrada. Deixaram de comprar o imóvel e esta porra não para de subir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mané acredita em profecia furada de bolha imobiliária, deixa de comprar imóvel, se acha muito "ixperto" e, agora, que viu que foi enganbelado, quer colocar a culpa nos outros?

      Excluir

Observação: comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões) ou conteúdo ofensivo, racista, homofóbico ou de teor neonazista ou fascista (e outras aberrações do tipo) serão apagados sem prévio aviso.