quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Mercado imobiliário de SP em 2013: vendas e valorização em alta

As vendas de imóveis residenciais novos na cidade de São Paulo caíram 4,8% em 2012 na comparação com o mesmo período de 2011, vindo de 28.316 unidades para 26.958. Os lançamentos, porém, registraram uma queda muito mais expressiva, de -27,0%, com unidades lançadas caindo de 38.149 em 2011 para com 27.835 unidades no ano passado.

Bolha Imobiliária - Brasil

Esses dados provêm do Balanço do Mercado Imobiliário de 2012 do Sindicato da Habitação (Secovi-SP), que também mostrou que o valor movimentado em vendas foi R$ 13,6 bilhões em 2012, 4,25% menor que os R$ 14,2 bilhões em 2011.


Isso mostra que a estratégia das construtoras e incorporadoras em 2012 foi correta, visto que as vendas totais em 2012 foram quase iguais às de 2011, com um número de lançamentos muito menor. O resultado é que os estoques de imóveis provavelmente cairam, pois os lançamentos são de imóveis na planta, e as vendas agregam imóveis novos prontos e os na planta.

O SECOVI-SP prevê um crescimento do número de lançamentos em 2013 da ordem de 10%, passando de 28 mil para 31 mil unidades - meta que receberá a importante contribuição da readequação do valor máximo do enquadramento dos imóveis no Sistema Financeiro de Habitação.

Com relação às vendas, a entidade prevê também avanço entre 3,5% e 5% em unidades passando de 27 mil para 28 mil unidades, algo que é esperado por conta de um maior crescimento da economia.

Preços

O resultado da redução da oferta de imóveis por parte das construtoras permitiu uma elevação do preço real do imóvel em SP em 2012 em torno de 3% - o que representa uma evolução nominal de 10%.

Para 2013 a previsão do SECOVI é de valorização média dos imóveis em SP em torno de 10% - o que representa uma evolução real média em torno de 3%.

Conclusão

 A perspectiva de valorização real dos imóveis na cidade de São Paulo em 2013 feita pelo SECOVI é até mesmo conservadora. Em nossa opinião a valorização real será até maior que os 3% estimados pela entidade - sobretudo em bairros nobres - Zonas A, B e C.

Isso fará com que, quem continuar a adiar a compra de imóveis esperando redução de preços continuará a colher surpresas bastante negativas, pois os preços estarão mais elevados, inclusive em termos reais. Pior, como as principais aplicações de renda fixa   ou estão perdendo da inflação (como a poupança) ou apresentando rendimento negativo = caso do Tesouro Direto - a situação pode adquirir contornos dramáticos. Em resumo: quem adiar a compra de imóveis pagará mais caro no futuro, correndo o risco de pagar BEM mais caro.

Com informações: EBC e Estadão

58 comentários:

  1. Hahahaha. Tem um filme que diz: "cuidado com o que pede", ou seria "cuidado com o que deseja". Ah, sei lá.

    Mas, enfim, pedi né? Aí tenho que ler e aguentar as consequências. Pois então:

    -78% de vendas em bsb, kássia? É uma queda muito forte, não? Sendo "ajuste" ou "acomodação" isso é demais para uma economia que cresceu 1,36% e não teve decréscimo da atividade da construção. Não?

    Qual a explicação pra esse caso de brasília? Na boa? Esse foi assustador. E esses dados foram liberados pelo COFECI, que é pró-venda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ainda não analisei direito os números, mas o fato é que o mercado de Brasília deu uma parada geral desde o fim de 2011 até pelo mês de novembro de 2012...desde então começou uma pequena recuperação e neste início de ano o mercado está em um nível bastante interessante - sobretudo o mercado de imóveis usados.
      Além disso, é preciso considerar que 2011 foi um ano de muitas vendas, decorrentes de uma série de lançamentos no Noroeste, e, posteriormente, com o atraso na implantação do bairro e etc, deu uma parada e a própria terracap não licitou novas projeções.

      Excluir
    2. Hmmm, sim. Mesmo sendo pró-bolha, acho que há algum fator exógeno no mercado de brasília no ano de 2012 que catalizou a queda das vendas.

      Olha o perfil das vendas totais em 2011, vê se as vendas foram predominantemente de lançamentos. Se sim, está explicado. Mas, de todo modo, a queda dos lançamentos e venda de novos foi inferior à queda total das vendas.

      Lógico que em momentos de efetiva bolha imobiliária sempre os estopins iniciais são geograficamente localizados e depois se propagam, e não generalizados. Eu ainda não acho que seja a hora do burst. E sempre achei que começaria por essas capitais de renda mais baixas tipo Recife, Salvador ou Fortaleza.

      Excluir
    3. O principal driver do mercado de Brasília são os funcionários públicos. E desde o começo do governo Dilma tivemos congelamento de salários e de contratações (enquanto não passava a previdência complementar dos servidores). Com a aprovação desse novo regime, no final de 2012, começaram a ser autorizados novos concursos, e, também, ocorreram alguns acordos em termos de remuneração.
      Então a parada no setor público acho que explica bastante o desempenho do mercado em BSB entre 2011 e 2012.

      Excluir
    4. Mas as condições de mercado de 2012 foram exatamente as mesmas que em 2011. Foram até melhor. Taxas de juros de financiamento imobiliário a 8,5% a.a., prazo de 35 anos, renda per capita elevada e estabilidade do emprego.

      "Não aumento" da massa salarial não explica a queda nas vendas.

      Excluir
    5. Visitante Carioca, a questão é que os investidores caíram fora do mercado imobiliário, e quem estava fazendo do mercado um sucesso eram justamente tais investidores, que nunca se preocuparam com saldos devedores gigantes, mas com as parcelinhas de mil reais.

      Na verdade, poucos compradores finais estavam comprando, mas ainda assim, seja por necessidade ou medo da alta, compravam, e cada dia que passava, com os reajustes, menos compradores finais entravam no mercado, e cada vez mais, somente investidores.

      Um fato que comprova isto é o fato de vários lançamentos terem quase 100% de vendas no dia do lançamento. Te pergunto: você compraria o imóvel para você morar com sua família e pagar dívida por muitos anos, com uma decisão formada em poucas horas?

      Compra de imóvel é algo que precisa de análise e muitas contas, mas para o investidor, basta uma fachada bonita e um plano de pagamento bem facilitado.

      E hoje, o feitiço virou contra o feiticeiro.

      Excluir
    6. Sim, todos esses pontos são argumentos a se considerar.

      No entanto, queda de 78% em vendas, sob qualquer conjuntura, é algo muito drástico. É tipo situação de guerra, peste negra, seca, invasão alienígena. E não foi o que ocorreu em Brasília.

      Mais ainda, Brasília não teve demissões em massa. A economia, mesmo crescendo pouco, cresceu, não houve recessão. Com certeza a queda nas vendas seria notada no ano passado, mas por volta de uns 30 a 50% (o que já é muitoooooooo). Mas 78%, seguramente teve algum choque aleatório aí, que não endógeno da dinâmica do mercado imobiliário.

      Excluir
    7. Redução de 78%... Para voltar ao patamar precisa crescer mais de 250% hehehehe

      Excluir
  2. Kassia me diz como o estoque pode ter diminuído (é o que você diz) se lançaram 28.000 e venderam 27.000. No ano anterior lançaram 38.000 e venderam 28.000.
    O estoque só vem aumentando, ainda que com efeitos a longo prazo.
    O resultado você já sabe.

    ResponderExcluir
  3. Kassia, francamente, falar que houve redução de concursos públicos e por isso a vendas caíram 78%....
    Vamos ter humildade e admitir que existe um problema?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério mesmo que ela deu esta desculpa? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk E, ainda por cima, desculpa mentirosa. As contratações no serviço público continuam em alta, mesmo antes da nova previdência. Teve concurso pra caramba no ano de 2011/2012, com nomeações. MDIC, AFRFB, ATA, TCDF (não é união)... O grande driver do mercado de Brasília não é o servidor público. É o investidor especulador, como nos demais estados..

      Excluir
    2. Teve também Senado Federal, TCU, Câmara dos Deputados CGU. Todos esses que eu citei, com salários de 5 dígitos, e que estão entre os que mais ganham.

      O problema é que mesmo estes (que são as carreiras que melhor remuneram os novos servidores) não têm renda pra financiar imóvel em Brasília.

      "Ah, mas e aqueles que ganham salários astronômicos que o jornal mostrou dia desses, não podem comprar?" - Esses são servidores antigos, que provavelmente já têm um imóvel. E que provavelmente estão perto de se aposentar, quando, possivelmente, irão morar em sua cidade natal.

      Imagina os do "carreirão" do executivo, que é o grosso do funcionalismo em BSB...

      Excluir
  4. Tia, é verdade o que estão falando por aí, que a senhora só teve lucro quando NÃO comprou na planta?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ao falar do Henrique, me deu vontade de ler de novo o "artigo" da taxa de corretagem. E eu vi, srta Tavares, que a senhora disse que pagar comissão de corretagem em separado ajuda as pessoas a pagarem menos ITBI.

      Vamos a uma conta de investidor, certo:

      Comissão paga em separado (ilegalmente pelo comprador - que não foi quem contratou o serviço do corretor) e supondo uma valorização de 30% do imóvel na hora de vender.

      Preço Anunciado do Imóvel: R$1 milhão
      Valor de Corretagem (6%): R$60.000,00
      Preço da N. Fiscal do Imóvel: R$940.000,00
      i) ITBI nesta situação (2% do valor da nota fiscal): R$18.800,00
      ii) ITBI caso o preço da nota fosse o preço anunciado (2% do valor anunciado do imóvel): R$ 20.000,00
      Economia de ITBI por pagar a comissão em separado (0,12% do valor anunciado: ii-i): R$ 1.200,00

      Valor de Venda (+30%): R$1.300.000
      Ganho de Capital em relação ao valor pago no anúncio: R$300.000,00
      Ganho de Capital em relação ao valor da nota fiscal: R$360.000,00
      iii) Imposto de Renda pq fui Lesado e paguei corretagem em separado(15% do ganho de k em relação ao valor da nota fiscal): R$54.000,00
      iv) Imposto de Renda pq NÃO fui lesado e paguei corretagem junto (15% do ganho de k em relação ao valor anunciado): R$45.000,00

      Economia pq não paguei a corretagem em separado (iii-iv): R$9.000,00

      Mas como tive que pagar um ITBI mais alto na compra, preciso abater o custo que tive de ITBI. Isso dá: R$9.000,00-R$1.200,00 = R$7.800,00

      Ou seja, é melhor pagar mais ITBI na compra e não pagar ILEGALMENTE a taxa de corretagem sendo comprador do que pagar mais IR na venda.


      Ah, refaça as contas para qualquer taxa de valorização, o diferencial pago de IR sempre vai ser de R$9.000,00 por pagar a corretagem enquanto comprador.

      Excluir
    2. Totalmente Errado.

      http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2012/perguntao/perguntas/pergunta-610.htm

      610 - Quais são as despesas que podem integrar o custo de aquisição de bens e direitos?

      d) as despesas de corretagem referentes à aquisição do imóvel vendido (...)



      Ou seja: suas contas estão todas erradas, pois o ganho de capital será o mesmo , visto que a SRFB permite incorporar no valor do imóvel, para efeito de apuração do ganho de capital, as despesas de corretagem na aquisição.

      Em resmo"investidor" que não conhece as regras básicas de IR para pagar menos IMPOSTO não é investidor, é mané.

      Excluir
    3. DESDE que suportado pelo alienante. Alienante, que eu saiba, é o vendedor.

      Você acabou de dizer que quem paga a comissão do corretor é o comprador. Portanto, na venda com valorização, eu não poderei abater a comissão que quem pagou foi o comprador.

      E no momento da compra, querida, por acaso quando a pessoa, enquanto compradora, quando lhe paga sua comissão vc emite uma nota fiscal para ela? Comprovando os serviços prestados? Você paga os 5% de ISS sobre o valor da nota de especificação dos serviços de corretagem?

      Se você não emite nota fiscal pro serviço de corretagem, querida, sinto-lhe dizer, mas é como se NUNCA tivesse existido a corretagem e, portanto, na hora que eu vender o imóvel com valorização, NECESSARIAMENTE eu pagarei mais IR. Pois a comissão não pode ser abatida dado que "ela nunca existiu" para efeitos de comprovação documental.

      E o valor da nota fiscal do imóvel será 94% do valor efetivamente pago pelo alienante com valorização a um tempo atrás. Ou seja, vai ter que pagar 15% a mais de IR sobre 6% do valor do imóvel valorizado.

      Excluir
    4. Kássia, não tem a funcionalidade de "editar comentários não"?

      Quando a gente quer complementar alguma coisa ou acrescentar algo tem que mandar outro post, ou apagar o anterior e mandar um novo.

      Excluir
    5. DESDE que suportado pelo alienante. Alienante, que eu saiba, é o vendedor.

      Você acabou de dizer que quem paga a comissão do corretor é o comprador. Portanto, na venda com valorização, eu não poderei abater a comissão que quem pagou foi o comprador.


      Errado. Você desenhar para você, que está doidinho para pagar mais mais imposto (se quiser pagar mais pode pagar, só vou lhe mostrar que não precisa, mas fica a seu critério, ok?).

      http://www.receita.fazenda.gov.br/Legislacao/ins/2001/in0842001.htm

      Art. 17 . Podem integrar o custo de aquisição, quando comprovados com documentação hábil e idônea e discriminados na Declaração de Ajuste Anual, no caso de:

      I - bens imóveis:

      c) as despesas de corretagem referentes à aquisição do imóvel vendido, desde que tenha suportado o ônus;


      Isso significa que você, proprietário do imóvel, acrescenta o valor da corretagem no custo de aquisição, quando você o tenha suportado, ou seja, se você tiver pago a comissão de corretagem.


      E no momento da compra, querida, por acaso quando a pessoa, enquanto compradora, quando lhe paga sua comissão vc emite uma nota fiscal para ela? Comprovando os serviços prestados? Você paga os 5% de ISS sobre o valor da nota de especificação dos serviços de corretagem?

      Se você não emite nota fiscal pro serviço de corretagem, querida, sinto-lhe dizer, mas é como se NUNCA tivesse existido a corretagem e, portanto, na hora que eu vender o imóvel com valorização, NECESSARIAMENTE eu pagarei mais IR. Pois a comissão não pode ser abatida dado que "ela nunca existiu" para efeitos de comprovação documental.


      Incrível, mas acho que você é completamente newbie mesmo em mercado imobiliário. Quantos anos você tem? 10 por acasso?
      Quando você fecha um contrato de compra e venda, com qualquer construtora, todos os valores saem discriminados no contrato, inclusive e especialmente as de corretagem, exatamente para o comprador incluir isso no valor de aquisição.

      E quando a corretagem é paga separadamente (procedimento correto e que beneficia o consumidor com menos imposto ITBI), a empresa vendedora, emite a nota fiscal do serviço prestado. Geralmente são mais de uma nota fiscal, pois os corretores em geral são PJ, assim como os supervidores e etc. Então o corretor emite uma NF, o supervisor também, e a empresa também. Tudo isso será acrescentado ao valor do imóvel para efeito de apuração do valor de aquisição para apuração do ganho de capital no caso da venda.



      E o valor da nota fiscal do imóvel será 94% do valor efetivamente pago pelo alienante com valorização a um tempo atrás. Ou seja, vai ter que pagar 15% a mais de IR sobre 6% do valor do imóvel valorizado.

      Por favor. NÃO MINTA aqui e não venha falar bobagem sobre o que você desconhece. A prática de acrescentar a comissão de corretagem no custo de aquisição do imóvel para efeito de apuração do Ganho de Capital é mais velha do que andar para frente, e se você não sabe disso, é óbvio que vc NUNCA fez NENHUMA transação imobiliária, e está aqui opinando sobre o que vc não sabe.

      Mas, agora, você aprendeu mais isso, já que eu lhe mostrei a Instrução Normativa da SRFB que trata do assunto, o artigo e a alínea. Se mesmo assim você quer pagar a mais, problema seu..

      Excluir
    6. Cambalhotas argumentativas!!!

      Quando você se emputece é por que a outra pessoa tem razão.

      Se o comprador paga a comissão de corretagem, o ônus do IR é necessariamente transferido para ele no futuro. É questão de matemática. Afinal, o vendedor paga IR sobre uma base diferente da que deveria pagar. Logo, esse IR é transferido para o bundão do comprador.

      Compradores pagadores de corretagem é que são manés. É como eu contratar a empresa de telefonia para instalar meu telefone e minha linha, ela mandar uma terceirizada lá em casa, e depois do cara instalar eu ter que pagar o serviço para o terceirizado.

      Ora bolas, eu comprei um serviço da cia de telefonia, como ela resolve oferecer o serviço é problema dela, mas ela não pode me transferir o ônus das decisões dela.


      Tá, essa discussão só deixa vc cheia de ui ui ui. Me responde uma coisa:

      Se eu chego num stand de vendas, o corretor de oferece um imóvel, e na hora de fechar a aquisição eu chego pra ele e falo:

      "NÃO, não quero pagar em cheques separados. Não vou pagar a sua comissão diretamente, eu quero pagar tudo à construtora e ela te repassa os valores depois".

      O corretor tem que acatar minha decisão, certo?

      Excluir
    7. Se o comprador paga a comissão de corretagem, o ônus do IR é necessariamente transferido para ele no futuro. É questão de matemática. Afinal, o vendedor paga IR sobre uma base diferente da que deveria pagar. Logo, esse IR é transferido para o bundão do comprador.

      MENTIRA. A Instrução Normativa 84/2001 é claríssima em seu artigo 17, alínea "c)" : "as despesas de corretagem referentes à aquisição do imóvel vendido, desde que tenha suportado o ônus; "

      Ou seja, o valor de corretagem integra o custo de aquisição do imóvel
      vendido.

      Se você não sabe isso, e não for newbie, só pode ser mané. kkk



      Compradores pagadores de corretagem é que são manés.

      Ah, sim, claro. Compradores de imóveis que pagam a taxa de corretagem direto para o comprador pagam MENOS impostos. Mané é quem quer pagar mais imposto.

      Agora, uma coisa: se você tiver alguma argumento jurídico e técnico, ok, pois eu já mostrei a IN da SRF para você, que PROVA que quem paga a comissão direto para o corretor PAGA MENOS ITBI e ainda pode incluir o valor de comissão no custo de aquisição do imóvel para efeito de apuração do ganho de capital, e, portanto, vai reduzir a base de cálculo do IR sobre o ganho de capital.

      Excluir
    8. Fui pesquisar uma coisa, encontrei outra:


      Isenção total de IR na venda de imóveis comprados até 1969: se você comprou um imóvel residencial até 1969, ao vendê-lo, não terá de pagar IR sobre o lucro da operação. Para se beneficiar da isenção, não é necessário que este seja o único imóvel residencial do vendedor.


      Que absurdo!!!!!!!!!!!!!!!!

      Então quem era rico antes de 1969, e tinha vários imóveis comprados a preço de banana, agora está trilhardário, e não paga 1 centavinho de IR.

      Excluir
    9. É como eu contratar a empresa de telefonia para instalar meu telefone e minha linha, ela mandar uma terceirizada lá em casa, e depois do cara instalar eu ter que pagar o serviço para o terceirizado.

      MENTIRA sua.

      O que acontece aqui é o seguinte: o imóvel é anunciado por R$ 100.000. E você pagará R$ 100.000 nele. Nada além disso, só que pagará R$ 94.000 para a construtora e R$ 6.000 para a empresa que está executando o serviço de venda.

      Com isso, o consumidor sai BENEFICIADO, pois paga menos ITBI no momento das chaves (já que pagará sobre 94k e não 100k), e, caso resolva vender o imóvel, o custo de aquisição do imóvel será de R$ 100.000, conforme a IN SRF 84/2001 artigo 17, alínea c).

      OU seja, esse procedimento é altamente BENÉFICO ao consumidor.






      Ora bolas, eu comprei um serviço da cia de telefonia, como ela resolve oferecer o serviço é problema dela, mas ela não pode me transferir o ônus das decisões dela.

      Isso só é feito para BENEFICIAR o comprador. É o mesmo que ocorre quando se compra ações na Bolsa de Valores pelo HB do Banco. A corretora (SOCOPA, por exemplo) tem contrato com o banco, e não com você, mas quando ocorre a ordem de venda ou de compra, o custo de corretagem é debitado de você, e não do banco.

      Isso permite vc abater esse custo do ganho de capital na alienação das ações.




      Tá, essa discussão só deixa vc cheia de ui ui ui.


      Não deixa não. É que vocês, manolitos e newbies nesse assunto, vem aqui falar bobagem, e ficam repetindo a bobagem insistentemente não sei qual o motivo.

      Eu já mostrei que esse procedimento é benéfico ao consumidor, que pagará menos ITBI.

      Além disso, mostrei a IN SRF 84/2001 que mostra que a taxa de corretagem integra o valor de aquisição.

      Mostrei os artigos do Còdigo CIvil que apontam a LEGALIDADE da taxa de corretagem paga pelo comprador.

      E os manolos, doidinhos para pagar mais imposto, ficam aqui falando bobagem.

      E, aí, quando eu mostro que eles estão falando bobagem, eles que ficam bravinhos e ficam repetindo as mesmas bobagens.



      Se eu chego num stand de vendas, o corretor de oferece um imóvel, e na hora de fechar a aquisição eu chego pra ele e falo:

      "NÃO, não quero pagar em cheques separados. Não vou pagar a sua comissão diretamente, eu quero pagar tudo à construtora e ela te repassa os valores depois".

      O corretor tem que acatar minha decisão, certo?


      O que você tem que entender é que o imóvel está lá para venda e esse é o procedimento da construtora. Se você quiser, ok, compre. Se não quiser, que procure outro. Ninguém vai chorar se um pentenho não quiser comprar. Aliás, vai até agradecer, porque nada mais chato que cliente pentelho, manolo e mané que se acha isperto...kkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    10. O corretor tem que acatar minha decisão, certo?

      Um dos grandes problemas dos manolitos é que eles se acham o último biscoito do pacote.kkkk

      Aprende uma coisa: você não é único comprador do mercado, e ninguém está desesperado para te vender.

      Se você quer comprar, compre e aceite as regras estabelecidas, que, inclusive, servem para lhe beneficiar.

      Caso contrário, vá procurar outro imóvel que esteja sendo vendido nas regras que vc quer. E, caso não encontre, vá morar no mato, debaixo da ponte ou morrrrrrra no aluguel a vida inteira....kkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    11. nossa Kássia, vc fala tanto que é investidora bem sucedida em imóveis... essa defesa de corretores foi meio que defender a própria classe.... vc tem algum parente que é corretor?

      Excluir
    12. A ideologia deste blog é claramente a favor da valorização eterna, e já foi provado que não é economicamente possível uma alta nos preços da forma como vem ocorrendo, e o resultado já era esperado, uma queda vertiginosa nas vendas e a devolução de muitos apartamentos.

      Excluir
  5. Kássia,

    12 meses:

    Rossi (RSID3): -66,69%
    PDG (PDGR): -61,87%
    Brookfield (BISA3): -51,49%
    João Fortes (JFEN3): -40,03%
    Sultepa (SULT4): -39,24%
    Gafisa (GFSA3): -27,09%
    Tecnisa (TCSA3): -23,23%
    Cyrela (CYRE3): -11,55%
    MRV (MRVE3): -15,66%
    Even (Even3): +31,48%
    Eztec (EZTC3): +34,8%
    Helbor (HBOR3): +43,04%


    Qual sua aposta? Qual delas quebra primeiro?


    Mesmo sendo um total contrassenso, eu aposto que as primeiras a quebrarem serão Helbor, Eztec ou Even. rsss

    ResponderExcluir
  6. http://www.infomoney.com.br/onde-investir/fundos-imobiliarios/noticia/2677670/mais-dois-fundos-imobiliarios-anunciam-que-nao-irao-distribuir-rendimentos

    Xiii.... Aparentemente nem os bancos estão conseguindo ter o lucro "prometido" investindo em imóveis.

    Hora de tomar um Dreher, que desce macio e reanima.

    ResponderExcluir
  7. "só que pagará R$ 94.000 para a construtora e R$ 6.000 para a empresa que está executando o serviço de venda."

    "Com isso, o consumidor sai BENEFICIADO"????? só se for em ralação ao ITBI, porque a comissão do corretor quem paga é o vendedor, NÃO o comprador!!! Só entrar com ação judicial exigindo a exclusão da cláusula abusiva, restituição em dobro pela cobrança indevida desses 6 mil mais danos morais... já esta matéria esta pacificada, são inúmeras ações perdidas pelas imobiliárias...


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. só se for em ralação ao ITBI, porque a comissão do corretor quem paga é o vendedor, NÃO o comprador!!!

      A Comissão do Corretor SEMPRE é paga pelo comprador. Ou diretamente (situação na qual o consumidor é beneficiado por pagar menos impostos), ou indiretamente, pois paga a comissão embutida no sinal (e, nesse caso, sai prejudicado, pois não sabe quanto pagou de comissão - o que é péssimo no caso de distrato, e ainda paga o ITBI sobre o valor da comissão - um valor maior).
      Ou seja, pagar a comissão diretamente ao corretor é muito mais vantajoso ao consumidor.


      Só entrar com ação judicial exigindo a exclusão da cláusula abusiva, restituição em dobro pela cobrança indevida desses 6 mil mais danos morais...

      É aí que o consumidor se dá mais mal ainda. Pois, para ele entrar com ação, terá que pagar um advogado, que, na maioria dos casos, recebe imediatamente.

      Ocorre que NENHUM consumidor que entrou com essa ação recebeu dinheiro até agora. NENHUM. Eu desafio alguém a colocar uma sentença executória aqui.

      Além disso, a tese da repetição do indébito em DOBRO já foi derrubada até na primeira instância.

      Ou seja, NINGUÉM ganhou nada dessas ações. Só o sadvogados. E nem vão ganhar, pois as ações serão todas reformadas no STJ, não há qualquer dúvida disso.

      Então quem quiser entrar com a ação, fique à vontade: pagará mais para o advogado, e vai ficar a ver navios, e ainda terá que pagar mais imposto.

      Ou seja, está pagando um advogado para ter o direito de pagar mais imposto. Quem é idiota o suficiente para entrar numa barca furada dessa, fique à vontade.


      Excluir
    2. Não precisa de decisão nenhuma. A lei é clara. O Código Civil diz que pode ser paga tanto pelo comprador quanto pelo vendedor.
      E tanto é legal a comissão ser paga pelo comprador, que a própria SRF, em sua Instrução Normativa IN SRF 84/2001 estabelece as situações tributárias para o caso da comissão de corretagem paga pelo comprador.
      Ou seja, a prática, além de legal, é benéfica ao consumidor.

      Excluir
  8. Declaro encerrada a discussão sobre esse assunto - Taxa de Corretagem - aqui neste blog. Se quiserem continuar a discutir isso, criem um blog (www.blogspot.com) gratis e discutam a vontade.
    Adianto que mensagens sobre esse assunto serão deletadas pois não são o objeto deste blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por que estão encerradas? O debate aqui neste blog não é sobre o mercado imobiliário? Acho que um blog DEMOCRÁTICO permite o debate.

      Excluir
    2. E quem é que disse que o meu blog é "democrático"? kkkkkkkkk

      Excluir
    3. Teu blog é Castrista!!! Já deu pra perceber. rsss

      Excluir
    4. nossa que mulher arrogante.

      Excluir
    5. Bem vindo ao clube dos admiradores dela!!

      Excluir
    6. e prepotente também. bom que fica com todos imóveis encalhados também. quem ri por último ri melhor. kkkkkkk

      Excluir
    7. a Kássia é uma corretora frustrada. Eu conheci ela na época em que trabalhei na Lopes Royal. Ainda bem que agora tenho minha própria imobiliária.

      Excluir
  9. O que me diz disso????
    http://ossamisakamori.blogspot.com.br/2013/02/estourou-bolha-imobiliaria-em-curitiba.html?spref=tw

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo, em Brasília a bolha também já explodiu, pois as vendas caíram 78% de um ano para cá. Em um mercado que se dizia sustentável e pujante, altos salários de servidores públicos, e expectativa de valorização de 20% ao ano, uma queda de 78% não é para deixar ninguém preocupado, mas em pânico total.

      Ploc, ploc, ploc.

      Engraçado que a imprensa local e jornais do tipo wimoveis e ligados ao mercado imobiliário nada falaram a respeito desta queda.

      Tão simples: preços altos demais + imóveis de baixa qualidade + renda que não acompanha os preços + muitos imóveis vendidos para especuladores = falsa expectativa de demanda + aumentos maiores de preços = estagnação do mercado algum dia. E este dia chegou.

      Viva a bolha imobiliária de Brasília!!!

      Excluir
  10. Explodindo em todo país.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menos na terra encantada onde vive Kassia "investidora" Tavares

      Excluir
    2. Investidora? Eu achei que a Kássia fosse corretora de imóveis.

      Excluir
  11. As obras aqui em Santos estão parando. Estão até alugando vagas de garagem dos novos edifícios vazios.

    ResponderExcluir
  12. que bom q tao caindo os precos. ganacia demais da nisso .

    ResponderExcluir
  13. Vídeo sobre economia:

    http://www.youtube.com/watch?v=ru1iA4OtfS4

    Vale a pena ver, sobretudo quem está pensando em comprar apartamento financiado em 30 anos.

    ResponderExcluir
  14. qual objetivo deste blog? patrocinado por qual empresa?

    ResponderExcluir
  15. Katia, se vc considera que seu blog nao e um local democratico, apenas um espaco para divulgacao de suas ideias, acho perfeitamente valido; agora se esta eh a sua intencao, nao abra espaco para comentarios, deixe so postagem de noticias, nao se abre espaco para as pessoas opinarem se vc nao que ouvir ideias contrarias!

    ResponderExcluir
  16. Tia,

    Encontrei um texto interessante do International Monetary Fund (IMF):

    Coping with High Debt and Sluggish Growth
    "http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2012/02/pdf/text.pdf"

    Veja a figura no final da página 13 que também pode ser acessada diretamente no seguinte link:

    Real House Prices across Countries
    "http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2012/02/c1/fig1_10.pdf"

    Basta olhar a figura para concluir que o estouro da bolha imobiliária na Banânia vai causar um estrago na economia muitas vezes maior do que causou nos EUA. Vai ser um PLOC memorável. Seguem partes do texto:

    O aumento dos preços dos imóveis ou o crescente peso da dívida doméstica, NOTADAMENTE NO BRASIL, requer uma vigilância continua dos decisores políticos.

    Boom de consumo do Brasil tem sido um grande componente do seu desempenho de crescimento forte, e a POUPANÇA INTERNA E INVESTIMENTO CONTINUAM A SER RELATIVAMENTE BAIXOS.

    demanda interna em muitas economias da Ásia e da América Latina (ESPECIALMENTE BRASIL, China e Índia, mas também outros) DESACELEROU, devido não apenas ao enfraquecimento da procura externa da Europa, mas também a fatores internos.

    O retorno ao crescimento foi menor do que o esperado no Brasil … flexibilização da política monetária desde agosto de 2011, como resultado de um AUMENTO DOS EMPRÉSTIMOS INADIMPLENTES após várias anos de rápido crescimento do crédito.

    Ao mesmo tempo, a maioria das moedas da região se valorizaram, com a NOTÁVEL EXCEÇÃO DO REAL BRASILEIRO

    ResponderExcluir
  17. http://classificados.folha.uol.com.br/imoveis/1237979-venda-e-preco-de-imoveis-usados-caem-em-2012-em-sp-diz-creci-sp.shtml

    ResponderExcluir
  18. Kássia, a sua legião de fãs aguardam por um novo post. Não há nada de novo no mundo dos imóveis que valha a pena publicar?

    ResponderExcluir
  19. Kassia, notícia mentirosa essa: http://classificados.folha.uol.com.br/imoveis/1237979-venda-e-preco-de-imoveis-usados-caem-em-2012-em-sp-diz-creci-sp.shtml

    Espero seus excelentes argumentos para nos explicar como essa notícia é falsa.

    ResponderExcluir
  20. Kássia,
    o que acontece que vc sumiu? muitos negócios?

    ResponderExcluir
  21. Kássia, teu ídolo " nível sênior" morreu.

    Preste condolências a Hugo Chávez!!! rss

    Daqui a pouco é a vez do ídolo "nível especialista".

    ResponderExcluir
  22. isso que é extremo de arrogância...parece menina mimada

    ResponderExcluir
  23. Cadê notícias novas sobre o mercado imobiliário? Como estão as vendas, devoluções e reclamações no setor?

    ResponderExcluir

Observação: comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões) ou conteúdo ofensivo, racista, homofóbico ou de teor neonazista ou fascista (e outras aberrações do tipo) serão apagados sem prévio aviso.