quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Bolha Imobiliária onde? Ibope: não há sinais de acomodação nos preços dos imóveis

O preço dos imóveis aumentou em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife no mês de outubro segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira pelo Ibope Inteligência. "Ainda não há sinais de acomodação dos preços, uma vez que as altas são expressivas", afirmou o diretor de GEO negócios do Ibope Inteligência, Antonio Carlos Ruótolo.

Preço dos Imóveis em São Paulo continua a subir

Segundo a pesquisa semestral, em São Paulo o preço de novos imóveis cresceu 14% em outubro ante abril. O valor médio do m² dos imóveis novos na capital paulista foi de R$ 6.019. A região com maior elevação de preços foi a zona Norte, com aumento médio de 28%, seguida pela região central, com alta de 21% e regiões Sudoeste e Sul, ambas com 17%. Na outra ponta da tabela, aparece a região Noroeste, onde os imóveis, em média, tiveram alta de 3% nos preços.

O preço médio do metro quadrado de novos imóveis na cidade de São Paulo registrou crescimento de 85% desde abril de 2009 até outubro deste ano, de acordo com o levantamento feito pelo Ibope.
A capital paulista apurou o maior aumento de preços em comparação a Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife no período, segundo o instituto de pesquisas.

Se considerados os imóveis usados, o aumento na capital paulista foi de 62% desde de 2009, quando o Ibope iniciou a pesquisa. Só de abril a outubro deste ano, os usados subiram 11% em valores atualizados - para R$ 4.979 o metro quadrado.
Demais capitais

Nos seis meses terminados em outubro as maiores altas de preços em imóveis novos foram vistas no Rio de Janeiro e em Recife, onde cresceram 18%.
Em valores atualizados, o preço médio do metro quadrado de imóveis novos no Rio de Janeiro foi de R$ 6 mil em outubro. Em Recife, foi de R$ 4.074.

Já em relação aos imóveis usados, Recife apresentou o maior aumento de preços entre abril e outubro deste ano, com alta de 20% para R$ 3.305, com base em valores atualizados.

Na sequência ficou o Rio de Janero, com elevação de 19%, no caso dos imóveis usados para R$ 5.106.
"Ainda não há sinais de acomodação dos preços de imóveis, uma vez que as altas ainda são expressivas", disse o diretor de Geonegócios do Ibope Inteligência, Antonio Carlos Ruótolo.

"O mercado está testando até onde é o ponto de resistência do consumidor... O crescimento anual por volta de 30% vem se mantento desde 2009, não desacelerou".

Fonte: Terra

Um comentário:

Guilherme Eduardo disse...

Se o mercado está aquecido, porque algumas das principais empresas no mercado de imóveis tem no acumulado de 12 meses uma forte queda em suas ações? Exemplos: PDG e Gafisa. Se a previsão é de céu de brigadeiro, essas ações deveriam estarem bem cotadas, certo?

Postar um comentário

Observação: comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões) ou conteúdo ofensivo, racista, homofóbico ou de teor neonazista ou fascista (e outras aberrações do tipo) serão apagados sem prévio aviso.

alert('Olá prazer em conhecê-lo!'); alert('Olá ' + comment.authorUrl + ', prazer em conhecê-lo!');